Assim como no Brasil
É preciso intensificar a mobilização contra a ofensiva fascista
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
poland
Manifestação contra saída da Convenção de Istambul | Foto: DR

Na segunda-feira, 27 de julho, o governo da Polônia iniciou, formalmente, a saída do país da Convenção de Istambul. O objetivo do tratado europeu, assinado por 47 países, é de prevenir e combater a violência contra as mulheres. O ministro da Justiça, Zbigniew Ziobro, havia dito no domingo (26) que o tratado seria “nocivo” porque exige que as escolas ensinem às crianças temas ligados ao gênero e que conteria “elementos de natureza ideológica”.

A Polônia é um dos países europeus que se encontra sob o domínio da extrema-direita. O atual presidente, Andrzej Sebastian Duda, reeleito recentemente, está no poder desde 2015 e vem avançando sistematicamente contra os direitos dos trabalhadores e dos setores oprimidos.

Em resposta à decisão do governo, que já era conhecida anteriormente, duas mil pessoas haviam se manifestado na última sexta-feira (24) em Varsóvia. Os manifestantes desfilaram em direção ao Ministério do Trabalho, brandindo cartazes com a frase “A greve das mulheres” e gritando “fim à violência contra as mulheres”.

A ofensiva da extrema-direita contra os direitos democráticos não é um evento específico da Polônia ou de alguns países da Europa, mas é parte de um movimento geral da burguesia em todo o mundo. Com a crise cada vez mais acentuada do capitalismo, a burguesia tem impulsionado cada vez mais a extrema-direita fascista, que se volta, sobretudo, contra os setores oprimidos.

No Brasil, essa ofensiva fica muito clara com o governo Bolsonaro, inimigo da esquerda, do povo e das mulheres. Na esteira do bolsonarismo, está também uma série de ataques conservadores contra a mulher, como os ataques ao direito ao aborto e os ataques trabalhistas que levam a mulher às amarras domésticas.

Para impedir que a extrema-direita continue avançando contra os trabalhadores e os setores oprimidos, é preciso intensificar a mobilização contra o fascismo em todo o mundo. As instituições, como vem ficando cada vez mais óbvio, não irão se opor a esse avanço. O STF, no Brasil, tem contribuindo com o golpe diariamente. As eleições, controladas pela burguesia, têm sido um caminho para a extrema-direita chegar ao poder.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas