Internacional
Os panamenhos solidários com Cuba exigiram do governo dos Estados Unidos o ‘fim imediato e incondicional’ do bloqueio ‘criminoso e unilateral’ à ilha
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
6103-bloqueo cuba (1)
Bloqueio a Cuba | Foto: Reprodução
O Coordenador da Solidariedade com a Ilha na sua reunião anual virtual, exigiu que o governo do país do Norte ‘acabe sem condições com esta política hostil e agressiva e cumpra a exigência unânime da comunidade internacional que ano após ano se expressa na Organização das Nações Unidas e outras organizações internacionais ‘.

Em resolução dedicada ao tema, os presentes denunciaram que ‘o regime imperialista dos Estados Unidos’ tentou reverter o processo cubano desde o triunfo de sua Revolução em janeiro de 1959 no bloqueio mais longo da história, que ultrapassa 60 anos de existência.

As múltiplas intervenções dos participantes também ratificaram seu apoio à proposta do Prêmio Nobel da Paz de 2021 para o contingente de saúde cubano Henry Reeve, ao mesmo tempo em que destacou o papel humanístico de seus membros nos lugares mais remotos e próximos do mundo.

Lydia Margarita González, embaixadora de Cuba no Panamá, interveio na reunião, agradecendo aos solidários ‘por aquele compromisso de sempre, demonstrado no acompanhamento ao povo e ao governo cubanos’ e elogiou-o, desafiando os obstáculos impostos pela pandemia de Covid-19, eles decidiram se encontrar virtualmente.

O diplomata lembrou como o governo dos Estados Unidos, neste último ano, intensificou ‘as medidas destinadas a sufocar a economia cubana sem o menor respeito ao apelo quase unânime que a comunidade internacional faz todos os anos para acabar com o bloqueio mais longo da história’.

No encontro também falou o embaixador da Nicarágua nesta capital, Marvin Ortega, que destacou os valores do povo cubano em sua longa luta e lhe deu um ‘abraço de solidariedade’.

Da mesma forma, o encarregado de negócios da República Democrática Sahrawi, Omar Hassena, disse que sentiu a honra de se formar em uma universidade cubana e, com palavras emocionantes, destacou como várias gerações de estudantes do mundo todo foram formados na ilha.

Um toque de tradição e cultura foram as múltiplas apresentações de dança, música e poesia que qualificaram o encontro, dedicado aos aniversários dos Comitês de Defesa da Revolução e da Federação das Mulheres Cubanas, ambas organizações de massa da ilha.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas