Fim da quarentena
O acesso aos calçadões e às areias das praias começa a ser liberado nesta quinta-feira (21) em Niterói, na Região Metropolitana do Rio. A cidade também dá início à reabertura parci
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Young men isolated himself wearing a face mask quarantine himself
Homem de máscara na janela-Blog do Pichonelli UOL |

Diante da crise econômica, a burguesia se decidiu pelo fim do isolamento social.

Exemplo mais claro disso ocorre em Niterói. Cidade que já foi considerada um exemplo de isolamento social, com taxas de 90%.

O acesso aos calçadões e às areias das praias começa a ser liberado nesta quinta-feira (21) em Niterói, na Região Metropolitana do Rio. A cidade também dá início à reabertura parcial do comércio depois de 62 dias de medidas de isolamento social para conter a disseminação do novo coronavírus.

Diante do anúncio de afrouxamento das medidas restritivas em Niterói, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) instaurou um inquérito civil para apurar as condições do sistema de saúde e os resultados do isolamento social instituídos em Niterói que possam fundamentar decisão da prefeitura de agravamento, manutenção ou afrouxamento das restrições atuais.

Segundo o MPRJ, a taxa de ocupação dos leitos públicos na cidade alcançava o percentual de 80% e dos leitos de UTI na rede privada ultrapassava 90%.

Ou seja, não foram feitos investimentos na área de saúde suficientes para justificar um retorno do isolamento.

O debate em torno da defesa ou não da política de isolamento social e quarentena vem perdendo força entre os partidos da direita e a imprensa burguesa. Antes de explicar o porquê, é preciso fazer a ressalva de que essa diferença nunca passou de propaganda. A ala da direita golpista tradicional representada pelos governadores defende a quarentena apenas como uma única medida, quando na realidade não existe nenhuma política efetiva contra a pandemia.

Bolsonaro, com sua campanha contra o isolamento, apenas estava seguindo os interesses de sua base social de empresários que temem os prejuízos com a quarentena.

Os governadores da direita defensores da quarentena, além da propaganda, têm como objetivo organizar o caos que será inevitável com a pandemia. Grosso modo, é fazer com as pessoas morram em casa, evitando ao máximo a revolta que causará a superlotação dos leitos dos hospitais. Além disso, essa política de quarentena nunca serviu para a maior parte da população, que ainda está sendo obrigada a trabalhar nas fábricas, supermercados, construção civil, transporte etc.

Essa diferença, aparente na questão da quarentena, simplesmente não existe no que diz respeito às políticas de ataques aos trabalhadores. A direita de conjunto vem avançando sobre os direitos do povo. Um exemplo mais recente foi a aprovação da Medida Provisória que diminui salários, acaba com o 13º, institui a negociação individual trabalhador patrão, em suma, um gigantesco confisco das condições de vida da população.

Está claro pela política da burguesia que já há uma unidade sobre a necessidade de acabar com a quarentena, quando muito mantendo apenas como propaganda. Os grandes capitalistas já perceberam que não terão condições de manter essa política e irão tomar a decisão de deixar a população exposta à doença. Ou seja, acabou até mesmo a divergência superficial que se abriu sobre a questão do isolamento social.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas