Crise capitalista
A Oi, empresa de telecomunicações brasileiras, corre o risco de ser repartida por empresas imperialistas ou até mesmo deixar de existir
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
20190930121650_1200_675_-_oi
Empresa Oi | Foto: Reprodução

Em entrevista ao Estadão o presidente da Oi, Rodrigo Abreu, disse que “Se nada mudar, a companhia perde sua capacidade de investimento e fica insustentável no longo prazo”, ao apresentar aditamento no seu plano de recuperação judicial, inicialmente apresentado em dezembro de 2017.

O plano de recuperação judicial da empresa, no início, previa a partilha da Oi em 4 partes (UPIs) para que pudesse receber investimento de compra e sanar as dívidas com bancos credores. As quatro partes correspondiam a redes móveis, torres, data centers e infraestrutura de fibra. O novo plano prevê também que haja mais uma UPI, a de televisão digital, além de outros pontos correspondentes ao financeiro da empresa.

A empresa brasileira tem sofrido muito nos últimos anos com a perda de clientes e de competitividade frente ao monopólio internacional que domina o país, demonstrando não só o tamanho da crise capitalista mas também como a era em que vivemos, a era imperialista, não permite a livre concorrência, ao contrário do que dizem os liberais.

O início da crise se deu com a compra da empresa Portugal Telecom, em que a Oi foi obrigada a assumir uma dívida bilionária após a fusão das duas empresas, o que não havia ficado muito claro antes da compra da empresa de telecomunicações de Portugal.

A crise na Oi também demonstra como a privatização é prejudicial para a economia do país, pois a empresa é o resultado do desmembramento e da privatização da Telebrás, empresa responsável pelas telecomunicações no Brasil e que foi privatizada durante os anos do governo de Fernando Henrique Cardoso.

Em 1998, a Telebrás foi desmembrada e os serviços em telefonia fixa foram separados dos serviços de telefonia móvel. Os serviços de telefonia móvel passaram a atuar através da empresa Telemar, que atuava de forma fragmentada através de 16 empresas. Já em 2007 a Telemar se unificou e passou a se chamar Oi.

Agora, a Oi poderá não só ser repassada ao consórcio de empresas de telecomunicações do imperialismo que agem no Brasil, como também pode simplesmente deixar de existir. Apesar de a venda dos ativos da Oi para o consórcio imperialista formado pela Claro, pela Tim e pela Vivo sofrer inúmeras restrições do Cade, há a possibilidade de que as três empresas fiquem com a empresa brasileira. Outra opção é a compra por parte da Highline, empresa pertencente ao grupo de investidores norte-americanos Digital Colony.

O aditamento ao plano de recuperação judicial da Oi será votado em assembleia pelos credores da empresa em setembro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas