Imperialismo
Exclusão da rede social mostra como funciona o capitalismo monopolista: empresas que dominam os mercados decidem quem pode ou não existir à revelia de qualquer liberdade
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Parler vs Google, Apple e Amazon
Parler, banida por Google, Apple e Amazon | Reprodução

Na última semana, após os protestos no Capitólio, prédio do Congresso dos EUA, a burguesia lançou uma ofensiva para reprimir aqueles que organizaram e participaram do protesto contra a fraude eleitoral que elegeu Joe Biden. Acusada de servir para a organização de setores da extrema direita, trumpistas que invadiram o Congresso, a rede social Parler foi retirada das lojas de aplicativos da Google e da Apple, bem como dos servidores da Amazon, ou seja, literalmente excluída da internet. O episódio mostra que na era do capitalismo monopolista, o imperialismo, não existe livre-concorrência.

O fundador da Parler, John Matze, denunciou as empresas Google, Apple e Amazon, que formam o monopólio das gigantes da tecnologia, de estarem em “guerra contra a liberdade de expressão”. O “cancelamento” da rede social conhecida como “twitter da extrema direita” se soma ao aumento da censura – que envolveu a expulsão do próprio presidente dos EUA, Donald Trump, do facebook e do twitter.

Na última sexta (8), o Google removeu a Parler da sua loja de aplicativos. No dia seguinte, sábado (9), Apple e Amazon também. A desculpa é que a Parler “não teria tomado medidas para evitar a disseminação de postagens de apoiadores de Trump”, ou seja, não teria censurado todas essas pessoas.

Mas não para por aí, as gigantes da tecnologia ainda colocaram a censura como requisito para que o aplicativo da rede social voltasse a poder ser baixado. O Google disse que a Parler precisa apresentar um mecanismo de “moderação”, ou seja, de censura, “robusto”. Já a Apple, deu 24h para que a rede social apresentasse um plano detalhado de censura contra trumpistas e que a suspensão se dará até que “eles resolvam esses problemas”.

“Mas a Parler é de direita”

Um dos argumentos que serviu para setores de esquerda apoiarem a censura contra a Parler foi o fato da plataforma ser considerada uma rede social da extrema direita. Isto porque Trump fez propaganda ativa da rede social, que tem apoiadores muito ativos e que a teriam utilizado para organizar a invasão do Capitólio dos EUA.

No entanto, é preciso ter clareza que isso em nada muda o fato da censura ser reacionária, portanto, contra o povo. É preciso ter claro que essas gigantes da tecnologia tem profunda relação com o Estado imperialista dos EUA. Como o próprio Snowden denunciou, elas serviram para coletar e repassar um volume gigantesco de dados das pessoas para os órgãos de inteligência norte-americanos, como CIA e NSA, ou seja, é em grande parte através dessas empresas que funciona o serviço de espionagem massivo, denunciado pelo ex-funcionário da NSA.

Neste sentido, não importa contra quem se dirija a censura. Censura é uma medida arbitrária do Estado burguês, ou seja, dos capitalistas, contra outrem. Ainda que neste caso específico seja contra Trump e a extrema direita, isto gera um precedente para atacar a todos, como fica claro no caso da censura a veículos de comunicação de outros países, como citado acima.

Outro ponto é que a censura, veio de empresas concorrentes da Parler, que sob a desculpa da “incitação à violência”, decidiram se ela pode ou não existir. Isso significa que o poder do Google, da Apple e da Amazon, chegou ao nível de decidir qual empresa ou aplicativo ou rede social pode existir ou não. Isto porque a Google e a Apple excluíram a Parler das suas lojas de aplicativo para celulares, enquanto que a Amazon removeu a Parler dos seus servidores e garantiu que todos os demais servidores que tem alguma relação com a empresa não hospedem a rede social.

Combate às “fake news”?

A Parler ganhou popularidade justamente pelo fato de empresas como o Facebook e o Twitter adotarem uma série de mudanças e regras para combate as “fake news” (notícias falsas), e ao “discurso de ódio”. Ou seja, após as redes sociais mais abrangentes adotarem a censura, a Parler ganhou adesão, principalmente de setores da extrema direita, que estavam sistematicamente sendo censurados nas demais redes sociais, o que era parte de uma medida do imperialismo para combater a influência de Trump e da extrema direita nas internet.

A extrema direita norte-americana cresceu nas redes sociais além do controle do monopólio de comunicação tradicional dos jornais, rádio e tv, como o The New York Times e passou a desequilibrar o regime imperialista, abrindo uma crise cada vez maior. Foi assim que Trump conseguiu se reeleger em 2016 contra a candidata principal do imperialismo, Hillary Clinton (Partido Democrata) e em meio a um 2020 de pandemia e de disputa presidencial nos EUA, tinha suas contas no twitter e facebook como principais canais de comunicação com seus eleitores e apoiadores.

O grande monopólio da mentira

Apesar de toda a cobertura ideológica à censura, a exclusão da Parler por parte das gigantes da tecnologia, oculta o fato destas empresas serem as maiores criadoras e propagadoras de notícias falsas e mentiras das mais diversas contra toda a população mundial. A Google, por exemplo, apoiou Joe Biden para presidente dos EUA. Ou seja, ela tinha interesse direto na censura contra Trump e seus apoiadores.

Nesta terça (12), a Press TV, televisão estatal iraniana, teve sua conta removida pelo Facebook sem qualquer explicação ou aviso. O que se soma com canais de imprensa russos, como o Sputinnik e RT, cubanos, venezuelanos, como a Telesur, norte-coreanos e mesmo brasileiros, como ocorreu com o Brasil 247 e a Ponte Jornalismo.

Desta forma, ter uma conta numa rede social ou ter uma rede social não são mais direitos, mas sim privilégios dos monopólios da comunicação e da tecnologia, que utilizam seu poder para uma campanha de grandes proporções contra a liberdade de expressão.

Ou seja, os grandes monopólios da tecnologia se juntaram para impedir a criação de uma rede social independente. Algumas pessoas utilizaram o fato da Parler ser uma rede social de elementos da extrema direita para se colocar a favor da censura e da sua exclusão. O fato é que se não há direitos para a extrema direita falar o que pensa (liberdade de expressão) e organizar atos e protestos (liberdade de manifestação e organização política), para quem haverá? Essa ataque é um precedente para a cassação massiva dos direitos políticos de toda a população norte-americana e consequentemente, mundial.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas
Send this to a friend