Reprodução, Prensa Latina
O torturador Enrique Uyterhoeven confessou que foi um carrasco da ditadura uruguaia (1973-1985) parente um tribunal no dia de hoje (23/10)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Enrique Uyterhoeven
Enrique Uyterhoeven, o torturador confesso | Foto: Reprodução
Montevidéu, 23 de outubro (Prensa Latina) –  Um ex-repressor da última ditadura (1973-1985) no Uruguai confirmou hoje a prática de tortura e constrangimentos físicos a presos políticos, quando aqui compareceu perante a justiça.

O ex-membro do Órgão de Coordenação de Operações Anti-Subversão (OCOA) Enrique Uyterhoeven testemunhou no caso que investiga as violações dos direitos humanos no centro conhecido como La Tablada e os desaparecimentos dos militantes comunistas Félix Ortíz, Miguel Mato e Omar Paitta.

Uyterhoeven admitiu em juízo a aplicação de um procedimento denominado submarino para busca de confissões de uruguaios que lutavam contra o regime ditatorial por meio de sofrimento físico e psicológico, e que se tratava de atos que respondiam a uma cadeia de comando.

A testemunha negou conhecer as citadas vítimas sequestradas nas ruas da capital em 1981 e 1982, e transferidas para La Tablada, onde morreram torturadas ou baleadas por seus captores.

A investigação judicial continuará com o depoimento de Jorge Charleta Gundelzog na segunda-feira, e pelo qual Wellington Sarli, um dos três soldados uruguaios condenados pelo assassinato de Eugenio Berríos, ex-agente da Diretoria Nacional de Inteligência da ditadura de Augusto, foi intimado, junto com Pinochet, no Chile.

O caso abre mais um capítulo nos esforços da Promotoria Especial de Crimes Contra a Humanidade, criada no último governo da Frente Ampla antiga Associação de Presos (Crysol) e Familiares de Detidos Desaparecidos, para a condenação de responsáveis por atrocidades anteriores.

Décadas depois, tentam superar os efeitos da Lei de Retorno à Democracia de 1986, que favoreceu a impunidade e um denunciado pacto de silêncio nas Forças Armadas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas