Internacional
As sanções econômicas unilaterais, impostas pelos países imperialistas aos seus inimigos políticos, representam um duro ataque à população como um todo.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
18942477
A Venezuela enfrenta mais de 300 sanções econômicas impostas pelos Estados Unidos. | Lusa.

No encontro internacional “Deixe-nos respirar. As sanções como uma violação dos direitos humanos”, organizado pelo Instituto Simón Bolívar para Paz e Solidariedade entre os Povos e o Instituto Tricontinental para a Investigação Social, a ex-relatora especial do Direito à Alimentação da ONU, Hilal Elver, afirmou que as sanções unilaterais impostas pelos países imperialistas, em especial os Estados Unidos, contra países mais fracos são ações criminosas que atingem duramente o conjunto da população.

Elver cita como exemplo a imposição de sanções econômicas pelo governo americano, na época de George W. Bush (Partido Republicano), contra o Iraque. Estas sanções afetaram a população civil iraquiana tanto quanto a guerra. Em sua visão, os norte-americanos se utilizam das sanções por motivos geopolíticos, econômicos e ideológicos.

As sanções têm a vantagem de serem mais fáceis de administrar do que um conflito armado. Seus impactos são profundos e prolongados. A ex-relatora diz que esta é uma forma pós-colonial de atacar os países em desenvolvimento, isso se sua postura ideológica desagrada os americanos. O chanceler da Venezuela, Jorge Arreaza, destacou o caráter destrutivo das sanções impostas pelo imperialismo. Segundo ele, “o antiimperialismo deve ressurgir para derrotar o capitalismo”.

Já o ministro das Relações Exteriores venezuelano apontou que o governo Barack Obama (Partido Democrata) declarou a Venezuela como uma ameaça extraordinária aos Estados Unidos, o que abriu o caminho para as ofensivas atuais comandadas por Donald Trump. Atualmente, o país sul-americano enfrenta mais de 300 sanções impostas pelo governo norte-americano. Estas têm por objetivo bloquear a economia e agredir o povo venezuelano.

O governo dos Estados Unidos procura, por diversos métodos, promover um golpe de Estado contra o governo chavista de Nicolás Maduro (PSUV). Recentemente, houve uma tentativa de invasão mercenária ao país, que foi abortada devido à rápida ação das milícias populares. Ativos da empresa estatal petroleira PDVSA, a principal empresa do país, foram congelados no exterior. A Marinha dos Estados Unidos se aproximou do mar territorial venezuelano. Até mesmo um presidente interno foi proclamado diretamente por Donald Trump. Houveram tentativas de assassinar Nicolás Maduro e subornar oficiais do Alto-Comando das Forças Armadas Bolivarianas para que estas traíssem o presidente.

O governo Maduro qualifica as sanções como uma política de sabotagem, isolamento, bloqueio e guerra econômica. A ideia é destruir a economia, afetar duramente a população e promover o caos social dentro do país. Nicarágua, Bielorrúsia, Rússia, Irã e Venezuela, governos que entram em contradição com o imperialismo, enfrentam sanções econômicas nos dias atuais.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas