Bolívia
Ex-presidente boliviano denuncia a Organização dos Estados Americanos (OEA) por seu papel como sustentáculo do golpe e da ditadura de Añez
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
18236790249_1a4870f831_k
Luis Almagro, secretário-geral da OEA | Foto: Juan Manuel Herrera/OAS
O ex-presidente Evo Morales exigiu hoje a renúncia do Secretário-Geral da OEA Luis Almagro, após afirmar que suas mãos estão manchadas com o sangue do povo boliviano e que lhe falta a autoridade moral para dirigir o destino da organização.

 

‘Que nunca mais sejam como Luis Almagro’, declarou o ex-presidente em entrevista coletiva, destacando que o relatório da Organização dos Estados Americanos (OEA) sustentou o mecanismo de um golpe de Estado que custou a vida de muitos de seus compatriotas.

De um dos quartos do Hotel Quagliaro, o primeiro presidente indígena da Bolívia fez uma forte declaração à OEA, salientando que seu secretário-geral havia causado danos irreparáveis e, após pedir sua demissão, disse que, se não o fizesse, solicitaria aos Estados-membros que iniciassem, sob a proteção da Carta da OEA, os procedimentos relevantes para sua remoção.

O ex-presidente, refugiado político na Argentina, também exigiu uma auditoria independente do trabalho técnico que levou à preparação daquele relatório sobre as eleições de novembro de 2019, que ele descreveu como fraudulento, a fim de estabelecer responsabilidades e remover quaisquer sombras das pessoas que foram vítimas de uma conspiração e de um golpe, disse ele.

Por outro lado, Morales anunciou que apresentará uma queixa ao Tribunal Penal Internacional para que os responsáveis pelo golpe de Estado possam ser julgados e processados. Desta forma, disse ele, o povo da América Latina será poupado do que o povo boliviano sofreu.

Sobre a vitória do Movimento ao Socialismo (MAS) no domingo passado, ele disse que a porcentagem daquele braço reconfirmou ‘que não houve fraude, sim houve um golpe’. No ano passado, ganhamos as eleições de forma limpa e justa, os resultados de 2019 e 2020 são praticamente os mesmos e até os superaram, enfatizou ele.

Depois de chamar as recentes eleições de um evento histórico após tanto sofrimento, o líder indígena confiou no povo, consciente de nosso processo de mudança, disse ele, e ressaltou que o MAS também terá uma maioria em ambas as casas do Congresso.

Finalmente, ele destacou que o novo presidente boliviano, Luis Arce, é o líder que seu país precisa para retornar ao caminho democrático e começar a resolver a crise, e insistiu mais uma vez em fortalecer a unidade latino-americana e colocar a Unasul (União das Nações Sul-Americanas) de novo em pé.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas