Bolívia
Direita e imperialismo não reconheceram vitória eleitoral da esquerda e tentam dar golpe violento com coxinhatos na Bolívia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Quito (Ecuador), 22 de Julio 2013. Cerca de las 21h30 arribó al aeropuerto Mariscal Sucre de Quito, el Presidente del Estado Plurinacional de Bolivia, Evo Morales, junto a su Canciller David Choquehuanca. El Ministro de Relaciones Exteriores y Movilidad Humana, Ricardo Patiño dio la bienvenida al mandatario boliviano junto a la Embajadora de Bolivia en Ecuador, Ruzena Maribel Santamaría. Foto: Fernanda LeMarie - Cancillería del Ecuador.
Evo deve mobilizar sua base para derrotar o golpe. Foto: Fernanda LeMarie - Cancillería del Ecuador |

Da redação – O presidente reeleito da Bolívia, Evo Morales, denunciou novamente que a direita busca dar um golpe de Estado para reimplantar o neoliberalismo no país, assim como fez ao longo das décadas de 1980 e 1990 e até o começo dos anos 2000.

“Não querem reconhecer [o resultado eleitoral], querem fazer um golpe de Estado para que voltem novamente as políticas do FMI e do Banco Mundial”, declarou o líder nacionalista hoje (01) em Cochabamba.

Desde que venceu as eleições, no último dia 20, Morales vem enfrentando uma onda golpista encabeçada pelo candidato derrotado, o ex-presidente neoliberal Carlos Mesa. Ele não reconheceu a derrota e convocou seu eleitorado coxinha a fazer manifestações violentas e desestabilizar o país. Houve diversos ataques a centros eleitorais e enfrentamentos com a base social e eleitoral do Movimento ao Socialismo (MAS), de Evo Morales.

A Organização dos Estados Americanos (OEA) – um aparelho dos EUA para controlar os países do continente – também não reconheceu as eleições, bem como a União Europeia (que não tem nenhum direito em se intrometer nos assuntos de um país que sequer é do continente europeu). O governo dos Estados Unidos, obviamente, também acusou as eleições de serem fraudulentas.

O que acontece na Bolívia é parte da ofensiva do imperialismo na América Latina. Evo Morales acreditava (e, aparentemente, segue acreditando) que conciliar com a direita e o imperialismo irá salvá-lo. Ele aceitou uma auditoria junto com a OEA, que tem pretensões de derrubá-lo. Esse não é o caminho, senão a mobilização de sua base social popular para derrotar o golpe nas ruas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Relacionadas