EUA querem Rússia e China fora da Venezuela para invadir o país

Image: US-POLITICS-TRUMP-SECURITY

Os esforços dos EUA para tomar definitivamente o controle da Venezuela continuam a todo vapor, mesmo depois da fracassada tentativa de golpe liderada pelo fascista Juan Guaidó, no final de abril. Novíssimas sanções foram anunciadas pelo conselheiro de segurança nacional John Bolton, agora contra os oficiais de Inteligência militar venezuelana.

Na tentativa de limpar o terreno para uma posterior invasão, o Secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeu, disse em entrevista ao site argentino Infobae que países que apoiam o governo de Nicolás Maduro devem sair da Venezuela. Países como China, Rússia, Cuba e Irã, deveriam deixar o território venezuelano para que assim pudesse começar uma restauração da democracia no país, encabeçada obviamente pelos EUA.

Além do enorme apoio da população, Nicolás Maduro conta com apoio de países que também são alvo de duros ataques por parte como Cuba e Irã, que sobrevivem ao cerco e continuam na mira imperialista há anos. A atuação desses países atrapalha os planos dos EUA de invadir o país latino-americano, assim como foram frustrados os plano de invasão da Síria, com apoio de Rússia e China. Depois do fracasso no Oriente-Médio o imperialismo quer garantir o sucesso na Venezuela usando de propaganda da imprensa burguesa contra esses países aliados.

Mais uma vez o imperialismo faz uso da fachada da democracia para interferir abertamente em governo de outros países, principalmente latino-americanos, almejando acabar com os direitos da população e saquear todo o patrimônio nacional. Países que apoiam e mantém ditaduras ao redor do globo e são responsáveis pelo ascensão fascista dos últimos anos, se dizem mensageiros da democracia enquanto países cujo governo não conseguem controlar seriam as terríveis ditaduras que precisam ser findadas.

Para que não sofresse tamanho embargo econômico ou qualquer outro tipo de sabotagem imperialista, a Venezuela teria que abrir mão de sua soberania e tornar-se mais um capacho norte-americano, entregando de bandeja as gigantescas reservas de petróleo do povo venezuelano para as petroleiras estrangeiras. Os avanços norte-americanos contra a soberania da Venezuela devem ser denunciados e a esquerda deve se mobilizar em um amplo movimento em apoio a todos os países ameaçados pelo imperialismo.