Violência contra o povo negro
Antes de anunciar a decisão para a imprensa, o promotor teria informado o resultado às autoridades de Kenosha temendo um novo levante dos trabalhadores negros em Winconsin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
13825_1FE393EE746672E8
Jacob Blake não sabe se voltará a andar e ainda se recupera da tentativa de assassinato | Foto: Cortesia de Ben Crump

No dia 23 de agosto de 2020, no condado de Kenosha, estado de Wisconsin, EUA, o mundo se espantava com o caso de Jacob Blake. Ele sofreu tentativa de assassinato, sendo baleado 7 vezes nas costas, à queima roupa, na frente dos filhos pelo policial norte-americano Rustin Sheskey. Blake passava com seus 3 filhos e teria parado seu carro para resolver uma discussão entre duas mulheres na rua e, quando a polícia chegou, o considerou um suspeito imediato simplesmente por ser negro.

O policial, indivíduo branco, de modo canalha, tentou justificar sua ação declarando que Blake teria desobedecido uma ordem sua. 7 tiros, à queima roupa, nas costas, na frente de seus filhos. Os tiros não o mataram, mas deixaram-no paraplégico, além de um trauma imensurável sobre os filhos de Jacob Blake.

Na última terça-feira (05), o promotor de justiça do condado de Kenosha, Michael Graveley determinou que o policial Rustin Sheskey não iria ser acusado por nenhum crime contra a vítima. Os absurdos feitos contra Jacob Blake nunca foram considerados violência. No início, quando milagrosamente se recuperava dos tiros, mesmo paraplégico, ele ficava algemado à cama do hospital. A determinação do promotor causou protestos em todo os EUA.

Antes de anunciar a decisão para a imprensa, o promotor teria informado o resultado às autoridades de Kenosha temendo um novo levante dos trabalhadores negros em Winconsin. Foram convocados cerca de 500 soldados da guarda nacional para reprimir possíveis protestos.

A decisão da justiça mostra que a luta pela destruição do Estado capitalista, essencialmente racista, não pode contar com a contribuição da justiça, pois esta já está tomada pela burguesia e advoga para a casta de empresários, em sua esmagadora maioria branca. Dessa maneira, o movimento negro deve se organizar de forma autônoma para colocar por terra as instituições racistas criadas e guiados pelos capitalismo.

Estrelas do esporte, da arte e diversos movimentos sociais nos EUA “lamentaram” a decisão do promotor. A esperança deles era que o policial fosse severamente punido. É preciso superar essa perspectiva da luta antirracista identitária, pois a luta dos negros não contra o policial, e sim contra o sistema capitalista que alimenta o racismo e é alimentado por ele. O policial racista deve ser punido, mas o fato é que não estamos numa sociedade normal, e o crime contra Blake não é um caso isolado.

Nos EUA, segundo o Economic Policy Institute, proporcionalmente a população branca é 10 vezes mais rica do que a população negra. Cerca de 13% da população norte-americana é negra, porém, considerando apenas as estatísticas de pessoas mortas pela polícia, os negros são 23%. O que ocorreu com Blake é a expressão cotidiana de uma política capitalista de violência contra a classe trabalhadora pobre e negra, e a polícia é a principal arma desse sistema.

Nesse sentido, combater o racismo significa também combater as desigualdades sociais impostas pelo capitalismo, que usa a polícia como ferramenta para estigmatizar e criminalizar os negros. Esta que precisa definitivamente acabar, pois a polícia faz o trabalho de capanga para os ricos.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas