Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
D0RXyv9X0AAD-6u
|

O imperialismo fracassou na invasão que estava preparando na Venezuela, no último sábado (23). Foi uma contundente derrota dos Estados Unidos e seus capachos, que não conseguiram servir de bucha de canhão. Os militares venezuelanos e o povo se mobilizaram nas fronteiras e nas ruas, demonstrando seu firme apoio ao presidente Nicolás Maduro.

Enquanto isso, a extrema-direita golpista não teve coragem de erguer a cabeça e os planos do marionete Juan Guaidó de levar multidões para buscarem a “ajuda humanitária” foram suspensos. Percebendo isso, os militares colombianos não tiveram coragem para invadir pela fronteira ocidental e os brasileiros pela oriental.

Até porque, para a burocracia militar, uma invasão a outro país geraria uma crise enorme dentro das forças armadas, com grande possibilidade de ampla desestruturação do exército e de uma convulsão social no Brasil, aumentando profundamente a crise política e econômica do País.

No entanto, se os militares brasileiros estão com um pé atrás para seguir as ordens do imperialismo e servir de bucha de canhão na Venezuela, outros setores pró-imperialistas no Brasil continuam sua campanha pela intervenção a plenos pulmões.

Isso é perceptível ao se ler, assistir ou ouvir os meios de comunicação golpistas. A propaganda contra o chavismo sempre foi veiculada pelos monopólios da imprensa, mas atualmente há uma amplificação dessa campanha. É uma verdadeira propaganda de guerra o que está sendo transmitido pela imprensa direitista (Globo, Folha, Estadão, Bandeirantes, Jovem Pan, Veja etc.).

Manchetes e reportagens “denunciando” a suposta repressão do governo Maduro, a “crise humanitária”, as deserções de militares na fronteira (depois de muitas ofertas por parte dos agentes do imperialismo do lado brasileiro e colombiano), são o termômetro para analisar a tensão em que a região se encontra.

O imperialismo faz uso dos meios de comunicação cartelizados sempre que precisa preparar o terreno para uma invasão militar. Foi assim na Iugoslávia, no Iraque, na Líbia, na Síria. Uma ampla campanha de propaganda (geralmente fabricada pelas empresas de publicidade norte-americanas e veiculadas de comum acordo pela imprensa mafiosa) é transmitida 24h para chocar o público com as supostas atrocidades cometidas pelos ditadores sanguinários que esmagam suas respectivas populações, e que seria preciso que a “comunidade internacional” (meia dúzia de países imperialistas) faça alguma coisa. É exatamente assim que a Venezuela está sendo tratada nos últimos dias pela imprensa brasileira e internacional.

Essa propaganda está em perfeita sintonia com o que diz o imperialismo. O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, reafirmou que a opção militar “está sobre a mesa”. No âmbito da cúpula do Cartel de Lima, um funcionário da Casa Branca disse a uma agência de notícias que, “na questão do uso da força militar, essa é claramente uma decisão do presidente e do governo dos Estados Unidos” e que “seria irresponsável que o governo dos Estados Unidos descartasse o uso da força militar”.

O mesmo foi dito pelo próprio Guaidó, demonstrando ser um serviçal do imperialismo contra seu próprio país e seu próprio povo, um criminoso conspirador contra os venezuelanos.

Demonstra-se que o imperialismo está com toda a sede dos recursos naturais da Venezuela, especialmente o petróleo e o ouro. E vai continuar sua campanha de desestabilização, golpe e intervenção militar. A situação é extremamente preocupante, uma vez que, apesar de ter vencido a batalha de sábado, o governo e o povo venezuelano terão de estar plenamente mobilizados para continuar encarando a guerra contra o imperialismo e seus capachos. Há uma verdadeira guerra contra a Venezuela, e o imperialismo está pronto para utilizar seus bombardeiros, tanques e fuzileiros navais, ou, pelo menos, suas buchas de canhão.

O povo brasileiro e latino-americano precisam se mobilizar imediatamente em solidariedade aos irmãos venezuelanos e contra a guerra imperialista. É necessário expulsar o imperialismo e seus agentes da Venezuela e da América Latina!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas