Imperialismo não dá trégua
As sanções se baseiam em fatos de 2018, quando o imperialismo norte-americano tentou derrubar o governo Daniel Ortega e agora culpa o governo Sandinista das mortes ocorridas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Wikimedia-Commons
Protesto na Nigarágua em 2018 | Foto: reprodução

O Departamento de Tesouro dos EUA impôs, na sexta-feira (22), novas sanções contra membros do governo da Nicarágua. Desta vez, os alvos foram o chefe do Exército, Julio Cesar Avilés, e o ministro da Fazenda, Iván Adolfo Acosta Montalvan, por “apoiarem o regime corrupto de Ortega”.

“As contínuas violações do regime de Ortega dos Direitos Humanos básicos, a corrupção flagrante e a violência generalizada contra o povo nicaraguense são inaceitáveis”, disse o secretário do Tesouro, Steven T. Mnuchin.

Essas sanções são baseadas nos fatos ocorridos em meados de 2018, quando o imperialismo norte-americano promoveu uma intensa desestabilização na Nicarágua para derrubar o governo do presidente Daniel Ortega, da Frente Sandinista de Libertação Nacional. Na ocasião, grupos de mercenários pagos pela oposição ligada a “ONGs”, empresas, agências de espionagem e políticos dos EUA realizaram uma série de manifestações violentas semelhantes às “guarimbas” venezuelanas, que deixaram centenas de mortos.

Embora a maioria dessas mortes, conforme investigações independentes, não tenham decorrido da repressão estatal, a forte propaganda da imprensa imperialista jogou toda a culpa no governo, que conseguiu vencer o golpe graças à mobilização das forças populares. No entanto, o conflito e a propaganda permitiram ao imperialismo sancionar membros do governo e empresas estatais nicaraguenses, acusando-os de “violar os direitos humanos” ou de corrupção, desculpa habitual da direita para derrubar governos nacionalistas.

A Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América (ALBA), organização multiestatal de caráter nacionalista e progressista, condenou as novas sanções imperialistas.

“A Aliança repudia a promoção desse tipo de ação em meio a uma pandemia global, pois evidencia uma gravíssima falta de ética e humanidade do Governo estadunidense, ao mesmo tempo que é uma medida errática e desesperada que tem pretendido aplicar aos Governos progressistas da América Latina e do Caribe”, diz a nota da ALBA.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas