Internacional
Ministérios e indústrias dinamarquesas de Defesa como a Terma e Saab foram alvos da espionagem norte-americana, segundo relatório de um denunciante
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
EFF_version_of_NSA_logo
Releitura do logo da NSA criticando a espionagem norte-americana | Foto: Reprodução

A Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA, na sigla em inglês) usou uma colaboração ultrassecreta entre os EUA e a Dinamarca para supostamente espionar os principais ministérios e empresas privadas dinamarquesas e de outros países escandinavos, informou o Danish Radio citando um denunciante do Serviço de Inteligência de Defesa (Forsvarets Efterretningstjeneste, FE) por volta de 2015.

Entre outras coisas, o relatório alertou a liderança do serviço secreto dinamarquês sobre possíveis ilegalidades na colaboração de inteligência para drenar informações de cabos de Internet da Dinamarca.

O relatório também revelou a tentativa de espionagem dos Ministérios das Relações Exteriores e da Economia da Dinamarca, bem como de países vizinhos e aliados, como a Noruega e a Suécia.

A NSA obteve acesso aos cabos de fibra ótica e a um centro de dados na ilha de Amager, no sul de Copenhague. A partir de lá, o tráfego de dados dos Países Baixos, Noruega, França e Alemanha, e instituições políticas da Dinamarca foi monitorado.

Além disso, foi mencionado que a NSA queria “saber mais sobre a Terma [empresa de defesa baseada em Aarhus] antes da compra de novos caças pela Dinamarca”, quando os dinamarqueses decidiram pela compra multibilionária de novos caças para substituir sua frota de F-16. No concurso para os novos caças do país estava a empresa sueca de defesa Saab. Após um debate acalorado com muitas controvérsias, os dinamarqueses optaram pela compra de 27 caças norte-americanos F-35.

Após diversas tentativas fracassadas de chamar a atenção da administração para o problema, o denunciante decidiu alertar o órgão supervisor do Serviço de Inteligência de Defesa dinamarquês, segundo o qual o serviço “falhou em acompanhar ou investigar os relatos de espionagem”. Posteriormente, o ministro da Defesa da Dinamarca, Trine Bramsen, demitiu cinco pessoas de alto escalão dos serviços secretos do país.

Especialistas afirmaram que possibilitar a espionagem das principais empresas dinamarquesas é absolutamente contrário aos interesses do país.

“É algo terrível, pois a autoridade que deveria garantir a segurança da Dinamarca ajudou a minar a segurança de importantes interesses do país”, afirmou Jens Elo Rytter, professor de direito constitucional da Universidade de Copenhague.

Por sua vez, o episódio repercutiu nos países vizinhos da Dinamarca.

Não seria surpresa se os EUA espionassem os noruegueses, pois sabemos que o fizeram contra o governo de países aliados”, afirmou o parlamentar norueguês Freddy André Ovstegard.

De acordo com a Danish Radio, a NSA utilizou dados do centro de Amager com seu sistema XKeyscore, revelado em 2013 por Edward Snowden, e que tem como função principal a interceptação de dados.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas