Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

Estudo mostra que aborto não está relacionado a problemas psicológicos

Contrariando às análises recorrentes que indicam que o aborto aumentaria o risco de distúrbios emocionais nas mulheres, a ciência diz o contrário. Um estudo realizado na Universidade da Califórnia demonstra que não há risco de aumento de ansiedade, depressão ou queda da autoestima associado ao aborto.

A pesquisa foi realizada por 15 anos seguidos analisando os dados sobre mais de 20 mil jovens norte-americanas. Os resultados da pesquisa apontam que ter optado pelo aborto não foi associado à ocorrência de depressão nas jovens. Uma mulher que fez aborto tinha exatamente o mesmo risco de desenvolver depressão no futuro que uma mulher que decidiu manter a gravidez.

O aborto é a quarta causa de morte materna no país. É uma questão de saúde pública. Enfrentar com seriedade esse fenômeno significa entende-lo como uma questão de cuidados em saúde e não como um ato de infração moral. Mas esse não é o entendimento dos golpistas da Câmara dos Deputados que na tarde do dia 08/11/2017 aprovaram a PEC 181/2011, que insere na Constituição a proibição do aborto em todos os casos, inclusive os já previstos hoje pela legislação brasileira, como nos casos de estupro ou de risco de morte para a mãe.

As restrições legais ao aborto não reduzem a necessidade do mesmo, mas possivelmente contribua ainda mais no número de mulheres que procuram abortamentos ilegais, gerando uma maior morbidade e mortalidade. No Brasil são realizados 1 milhão de abortos anualmente. A cada dois dias, uma brasileira (pobre) morre em clínicas clandestinas para interromper a gravidez.

Não dá para negar que o aborto é uma realidade e que essa realidade deve se impor diante de restrições meramente morais, motivadas por crenças religiosas e que não podem mais se impor sobre a população e definir as normas legais de um país que se pretende laico. Não deve ser imposto a todas as mulheres brasileiras, sobretudo às que não seguem religião, respeitando assim o princípio da laicidade do Estado brasileiro, que separa as decisões políticas da influência dos dogmas religiosos e moralistas.

O coletivo de mulheres Rosa Luxemburgo do Partido da Cauda Operária defende o direito ao aborto, o direito às mulheres decidirem sobre o próprio corpo, o direito de uma mulher ao optar pela interrupção da gravidez, não morrer pela falta de cuidados médicos adequados, nem ser presa por conta dessa decisão.

Que no próximo dia 8 o movimento de luta das mulheres se organize na luta contra o golpe de Estado, ele que foi o grande motor propulsor para a retirada de direitos das mulheres na atual conjuntura, em que os ataques vêm de todos lados e emitidos diretamente pela corja de golpistas usurpadores do poder.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Relacionadas