Educação
Um grupo de estudantes da Uninove realizou um protesto na última quarta-feira (25) em frente ao prédio da instituição na Barra Funda.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Une-uninove
Protesto de estudantes da Uninove contra a demissão de professores em 2019. | União Nacional dos Estudantes

Um grupo de estudantes da Universidade Nove de Julho (Uninove) realizou um protesto na manhã da última quarta-feira (25) em frente ao prédio da instituição na Barra Funda, capital paulista.

O motivo do protesto é o aumento da carga horária na modalidade Ensino à Distância (EaD) e a demissão de 30 professores dos cursos da área de ciências humanas. Ganhou repercussão nacional a demissão massiva de docentes dos cursos de Ciências Sociais, Serviço Social, História, Letras e Biomedicina realizada pela Uninove por meio de uma mensagem pop-up. Os professores entraram na plataforma online para trabalhar e, de repente, um pop-up no navegador anunciou a demissão. Muitos docentes não acreditaram e seguiram adiante, até que perceberam que seu acesso estava bloqueado. Quando compreenderam do que se tratava, a perplexidade foi geral. Como forma de amenizar o sofrimento dos demitidos, a Uninove enviou uma palestra motivacional do padre Fábio de Melo.

Em dezembro de 2019, o Ministério da Educação e Cultura (MEC), sob gestão de Abraham Weintraub, editou a portaria nº 1.438, que autoriza as universidades públicas e privadas a ampliar a modalidade EaD em até 40% da grade curricular dos cursos oferecidos.

Os estudantes afirmam que a introdução da modalidade EaD significa uma precarização ainda maior dos cursos e o rebaixamento da qualidade. Além disso, as mensalidades da Uninove têm subido, ao passo que as bolsas de estudo sofreram cortes. Muitos estudantes estão sendo obrigados a trancar suas matrículas, na medida em que o aprofundamento da crise econômica os impede de continuar seus estudos.

Desde o golpe de Estado de 2016, o ensino privado avança a passos largos no país. O governo Michel Temer (MDB) buscou autorizar a expansão do ensino EaD em todos os níveis, inclusive na Educação de Jovens e Adultos e nas séries iniciais do ensino básico. A eleição fraudulenta de Jair Bolsonaro, em 2018, potencializou esse processo e abriu as portas e o orçamento público para os monopólios da área da educação.

Em primeiro lugar, o EaD acarreta desemprego para os professores, que são descartados e substituídos pelas tecnologias de comunicação e informação. Para as empresas, isso significa menos gastos com pagamento de salários, direitos trabalhistas e previdenciários. No caso das universidades públicas, o ensino remoto substitui as políticas de auxílio e permanência estudantis.

O ensino à distância também tem a função de inviabilizar a organização estudantil e dos docentes do ensino superior. É preciso mobilizar as organizações estudantis e os sindicatos de professores para impedir a implementação deste ataque à educação. As universidades devem ser estatizadas e colocadas a serviço dos interesses da população.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas