América Latina pegando fogo
Semelhante ao que vem ocorrendo no Brasil, a ditadura Colombiana, financiada pelo imperialismo, vem fazendo duros ataques a educação do país, e o povo quer dar um basta a isso.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
10102019 - -protestos-estudantis-em-bogota-na-colombia-1570795118763_v2_900x506
Milhares nas ruas em Bogotá. Foto: Getty Images |

Semelhante ao que vem ocorrendo no Brasil, a ditadura Colombiana, financiada pelo imperialismo, vem fazendo duros ataques a educação do país, destruindo as instituições educacionais, o que impacta na vida de toda população.

No caso colombiano, o governo não cumpriu uma série de acordos firmados no ano anterior, que previam aumentar os investimentos na educação, reduzindo assim na prática a verba destinada ao ensino público, o que gerou revolta na população.

Por isso, milhares de estudantes saíram as ruas na Colômbia, com destaque para o gigantesco protesto feito em Bogotá, capital do país, neste último dia 10 de outubro.

Os países latino americanos, sobretudo Brasil e Equador, tem em seu interior uma grande revolta popular pronta para implodir a qualquer momento. Vemos nas manifestações que percorrem todo o calendário brasileiro, tal como a fortíssima mobilização do povo equatoriano, contra o governo de Moreno, surgido pela recente onda de golpes na América Latina.

A ditadura colombiana é muitas vezes usada pela imprensa imperialista como modelo de país, um antagonismo à “ditadura bolivariana” supostamente presente na Venezuela. Enquanto a imprensa acusa Maduro de ser ditador, seu governo, mesmo com os duros ataques do imperialismo e uma série de boicotes, foi responsável por bater recordes quando se trata de educação.

Recentemente, o governo bolovariano conquistou a façanha de pôr mais de 8% da população no ensino superior, um número que represente cerca de três vezes mais do que as estatísticas brasileira, próxima aos três por cento.

Dessa forma, enquanto a “democracia” colombiana, país chave do imperialismo na região, ataca seu próprio povo e o priva de uma educação pública de qualidade. A “ditadura” de Maduro é responsável por dar a população uma chance de progredir nos estudos, acessar uma universidade e ter seus direitos garantidos.

Fica claro que a Colômbia, como todos os outros países latino americanos, está a ponto de explodir. Sua população está revoltada com as fortes políticas de esmagamento do povo, e da pilhagem imperialista promovida e liberada livremente por seus governos capachos. O estado semi-colonia em que estes países são postos é a principal fonte da destruição causada no sistema educacional, nas políticas públicas e nos direitos democráticos. A Venezuela, ao contrário do que o imperialismo diz, representa que o caminho necessário a ser seguido é a da mobilização.

Se por um lado Lenin Moreno decreta toque de recolher em Quito, pondo o exército nas ruas contra seu próprio povo revoltado, por outro a população latino americana da um fundamental recado ao imperialismo e as direções da esquerda pequeno-burguesas. Pondo em cheque a política conciliadora e meramente eleitoral, deixando evidente que os trabalhadores estão dispostos a conquistar seus diretos com suas próprias mãos.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas