Estudantes ocupam prédio da Univerisade Estadual do Piauí

uniep (1)

O golpe deixou as universidades sem dinheiro e em crise total, e frente a essa situação de calamidade, 16 estudantes de Agronomia ocuparam o prédio da Faculdade de Ciências Agrárias (FCA), da Universidade Estadual do Piauí (Uespi), no campus de Parnaíba. O protesto é devido à falta de alimentação, que deveria ser fornecida pela instituição, bem como o atraso no pagamento das bolsas e salário dos professores. O boicote golpista das universidades comprometeu, assim, o início do período letivo que havia sido remarcado para esta segunda-feira, 16, momento,

“Tudo o que a Uespi nos prometeu, resolver a alimentação, a questão das bolsas e o Incra pagar o professores, nada aconteceu até o momento. Então, os alunos estão ocupando a FCA da Uespi em Parnaíba, que é onde funciona o nosso curso. Estamos aqui sem aula e sem alimentação”, disse um estudante entrevistado. “A reivindicação é para que as aulas iniciem. Para isso é preciso sanar o pagamento dos professores do período passado que se encerrou dia 7 de julho e sanar o problema da alimentação. O coordenador do curso está acompanhando e já fez tudo o que era cabível”, complementou.

“A situação se repete. No ano passado, só estudamos um semestre e porque tomamos a iniciativa de ocupar o prédio. Já tivemos reuniões com o Incra, Pronera e fomos até o reitor. Estamos ocupando o prédio porque a própria Uespi não cumpriu o que prometeu”, desabafou outra universitária.

O caso em específico é o seguinte: o curso é financiado pelo Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera) em parceria com o  Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e Uespi, e damos a particularidade do caso, pois, muitas universidades pelo Brasil, Federais e Estaduais, passam por situação igual ou pior, tendo como exemplo a UERJ e UFRJ, que, devido a falência do Rio de Janeiro pelo golpe, quase fecharam suas portas, tem professores parados, infinitos substitutos e etc.

E a notícia fica ainda pior, pois o caos do golpe fez alguns alunos sem condições de se mantarem, tendo que trabalhar e estudar, abandonaram o curso. Resumindo, como já denunciado aqui neste diário, o golpe vai destruir todo o ensino público de qualidade.

É preciso criar um Comitê de Luta Contra o Golpe na universidade, bem como em todos os locais possíveis da sociedade brasileira, pois, esses, são um órgão suprapartidário que debate problemas políticos diversos e age contra o golpe. Também é preciso acompanhar as resoluções tiradas da Conferência Nacional Aberta, que começa amanha dia 21 na quadra dos bancários, e vai debater um programa de lutas, pela greve geral e para uma educação de alta qualidade para os trabalhadores, levando tudo isso aos bairros mais carentes para o debate com as bases da sociedade.