Genocídio da juventude
Governo Bolsonaro quer promover genocídio com volta às aulas. Só a mobilização resolve.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
escolas
Impedir o volta às aulas passa pela derrubada de Bolsonaro e todos os golpistas. | José Leomar
escolas
Impedir o volta às aulas passa pela derrubada de Bolsonaro e todos os golpistas. | José Leomar

Após publicar no Diário Oficial uma portaria que obrigava as instituições federais de ensino à reabrirem suas atividades presenciais em janeiro, o MEC “recuou” frente a medida, e em menos de um dia resolveu revogar a própria portaria.

A decisão por parte do ministério bolsonarista pegou de surpresa estudantes, pais e professores, que desde do mês de março se mantem longe da salas de aula. Em entrevista à CNN Brasil, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, declarou que não esperava tanta resistência por parte da população.

A cínica declaração surge pois para o ministro, o menor dos interesses é saber o que de fato agrada a comunidade acadêmica, que será exposta a um vírus mortal, mas sim aos grandes capitalistas, interessados na reabertura.

Está é a real política de Bolsonaro

Toda esta situação, sinalizou mais uma vez que o governo de Jair Bolsonaro está disposto à levar os estudantes à morte caso seja de interesse do mercado. Não há nenhuma política de contenção à pandemia, porém, há um forte interesse em reabrir as universidades, assim como já foram feitas com as escolas privadas e militares em todo país, para reanimar a economia capitalista.

Contrários a medida se posicionaram de imediato as reitorias, pressionadas diretamente pelos estudantes e professores, além de organização do próprio movimento estudantil.

Vale lembrar que a decisão se deu em meio a um dos piores momentos que o país vive desde que iniciou-se a contaminação pelo novo coronavírus. O mês de dezembro logo iniciou com a marca de 50 mil casos confirmados, o maior número desde agosto, o chamado “pico” da pandemia.

O fato é que o país sequer passou pela dita “segunda onda”, pois na prática a primeira jamais passou. Os números de casos hoje, são duas vezes maiores daqueles identificados no mês de março, quando as universidades fecharam.

Além do mais o país está retornando a marca de mil mortos diários, atingindo no último dia 2, 698 mortes confirmadas. Número esse só visto, nos meses de pico da contaminação.

Graças a todos estes fatores, não seria mais do que natural que toda a população rejeitasse a retomada das aulas presenciais. Porém, não podemos ver este “recuou”, como um dado definitivo.

“Devemos reabrir em todos os níveis”

Muito pelo contrário, o próprio Jair Bolsonaro declarou, mesmo após toda a repercussão negativa da portaria, que as aulas devem retornar “em todos os níveis”.

Bolsonaro defendeu a medida do MEC, e colocou:

“Estamos tentando a volta às aulas. Terminei [há pouco] uma conversa com o ministro da Educação [Milton Ribeiro], nós queremos voltar aula presencial em todos os níveis. Mas os reitores chegaram nele e [disseram] “não, queremos só começar em 2022”, tá? Aí, no meu entender, não tem cabimento, até porque esse vírus aqui fica grave de acordo com a idade da pessoa e comorbidades”.

As declarações não surpreendem, porém são um alerta para todo o povo brasileiro. Se dependesse de Bolsonaro, às aulas já teriam retornado, este é o interesse de toda a burguesia. Por isso, é de extrema necessidade organizar toda comunidade acadêmica, sobretudo a juventude, em uma série luta, não só contra a retomada das aulas, mas pela derrubada do próprio governo Bolsonaro.

A situação é clara, se Bolsonaro continuar as medidas para a reabertura em plena pandemia irão permanecer. As organização da juventude não podem ficar de braços cruzados, ou se manter apenas no campo virtual, como no caso da UNE.

A situação exige uma verdadeira organização da juventude em torno de uma campanha de “volta às aulas só com vacinação” e Fora Bolsonaro. Uma questão está diretamente ligada a outra, e isso necessariamente exige mobilização.

O recuo é provisório, o interesse em si continua, e ele foi dado graças a resistência inicial promovida pela população. Porém, os golpistas buscaram se reorganizar e lançar-se novamente em mais uma ofensiva contra o povo em torno desta política.

De maneira acabada apenas a mobilização poderá efetivamente derrotar esta medida e o governo Bolsonaro de conjunto, para isso, a política paralisante promovida pela direção da UNE precisa ser superada, e a juventude organizada para luta.

Em torno deste problema, a Aliança da Juventude Revolucionária (AJR), coletivo da juventude do PCO, está organizando comitês de luta estudantil em todas as regiões do país, com o objetivo de, além de lutar contra o EAD, promover uma verdadeira mobilização contra o volta às aulas e pelo Fora Bolsonaro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas