Movimento Estudantil
Estudantes da UFGD boicotam auxílio digital
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ASD
Campus UFGD | Foto: Reprodução

Apenas 236 estudantes da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) aderiram ao Auxílio Emergencial de Inclusão Digital para atendimento durante a pandemia. O primeiro edital, lançado no início de Julho, disponibilizou 1500 auxílios, mas apenas uma pequena parcela dos estudantes da UFGD se inscreveu ou estavam aptos a receber. Um novo edital foi aberto e foi disponibilizado uma bolsa de R$ 60,00 válido por um período de cinco meses que tem como objetivo incentivar os alunos a participarem do RAE (regime acadêmico emergencial).

Uma análise prática sobre a verdadeira intenção do auxílio emergencial de inclusão digital disfarçada de incentivo por parte do governo federal direitista, é que se trata nada mais nada menos, de um suborno para que os estudantes engulam as atividades digitais. É o capitalismo supostamente superando suas dificuldades técnicas e dando migalhas, com o objetivo de barrar as mobilizações estudantis contra o sucateamento completo e, finalmente, o desmonte da educação pública promovidas pelo ensino remoto emergencial (ERE), ou ensino à distância (EAD).

Nesse sentido, além de todas as questões práticas de acessibilidade, sabe-se que o ERE ou em outros termos, EAD, trata-se do interesse da burguesia de expropriar as verbas públicas por meio da privatização total do ensino, tirando do poder público o dever da manutenção do sistema de ensino e realocando para empresas privadas como as redes de internet, telecomunicação, softwares.

Entendendo a conjuntura política e a ameaça da imposição desse tipo mercantilista de ensino, o DCE e os estudantes da universidade são legitimamente contra a imposição do ERE (Ensino Remoto Emergencial) e consequentemente contra as normas do regime acadêmico emergencial. O diretório Central dos e das estudantes da UFGD elaborou um Dossiê sobre o Ensino Remoto (ER), com materiais acumulados ao longo desses últimos meses de debates com os CAs, os estudantes, professores e técnicos da UFGD, a UNE e os movimentos sociais.

O dossiê denuncia o descaso da administração, “Continuaremos denunciando o descaso da administração interventora e os interesses mercadológicos, que ameaçam os professores e excluem os estudantes, principalmente aqueles mais atacados historicamente. Nenhum estudante fica pra trás, é um mote que não encerra o debate, nos motiva a lutar.”

A conclusão do DCE e o movimento estudantil é que não é à comunidade da UFGD que interessa o Ensino Remoto, como citado no próprio dossiê.

Conclui-se pontualmente, que além da criação de dossiês, a única saída prática para barrar definitivamente tais ataques e ameaças por parte do governo da direita fascista, se dá por meio das mobilizações estudantis. Como já visto historicamente, a juventude deve ser a linha de frente em meio à crise, contra as ações fascistóides.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas