Autonomia universitária
Manifestação coloca a necessidade de defender um governo tripartite. Que a comunidade acadêmica escolha seus representantes de forma autônoma!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
tripartite
Mobilização estudantil contra a intervenção bolsonarista na UFERSA-RN. | Foto: Reprodução

Estudantes da Universidade Federal Rural do Semiárido (Ufersa) do Rio Grande do Norte realizaram na manhã desta segunda-feira (31) um protesto contra a nomeação bolsonarista da nova reitoria da Universidade, Ludimilla Oliveira.

Mais uma intervenção bolsonarista

Ludimila Oliveira foi a terceira colocada da lista tríplice encaminhada ao Ministério da Educação e ficará à frente da Universidade por 4 anos.

”A comunidade acadêmica não concorda (com a nomeação). É a voz da comunidade acadêmica, uma vez que ela não foi eleita democraticamente. A categoria dos técnicos veio reafirmar que essa pessoa nomeada não nos representa enquanto reitora”, disse Kaliane Morais, coordenadora do Sintest,  Sindicato Estadual dos Trabalhadores em Educação do Ensino Superior.

O anúncio da nomeação foi feito durante a visita do Presidente ilegítimo fascista da República, Jair Bolsonaro, a Mossoró no dia 21 de agosto de 2020, mas ela começou a exercer a função nesta segunda dia 1 de setembro.

Estudantes acertam em se opôr a ditadura na universidade

O ato foi organizado pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE) e com o apoio do Sintest/RN, começou por volta das 8h30. Os manifestantes se concentraram em frente a Ufersa e chegaram a bloquear um trecho da BR-110 por alguns minutos. Eles usaram faixas pedindo a saída da nova reitora.

Os manifestantes também entraram no prédio da Reitoria gritando palavras de ordem. Cerca de 100 pessoas participaram do ato.

“O objetivo desse ato é lutar contra essa intervenção que vem acontecendo na nossa universidade e contra todo projeto que ela representa. A a gente tá aqui fazendo resistência e queremos reverter essa intervenção. Queremos a posse do nosso reitor eleito”, afirmou a presidente do DCE, Ana Flávia Lira.

Moblizar por um governo tripartite

O acontecimento representa a política correta dos estudantes diante dos ataques da burguesia e tentativas de aparelhar as instituições de ensino pelo fascismo bolsonarista.

Existe uma necessidade urgente de mobilizar os estudantes nacionalmente por governos tripartite, formado não apenas por professores e servidores mas também estudantes, e que os chamados conselhos superiores tenham número de assentos proporcional à presença de cada um destes três setores nas universidades, escolas e institutos federais.

Diante deste fato, é preciso reforçar que o Partido da Causa Operária (PCO) e sua juventude representada pela AJR (Aliança da Juventude Revolucionária) são terminantemente contra a eleição indireta para reitor.

Nas condições atuais, o reitor vira uma espécie de monarca da universidade, onde ninguém o elege. Agora Bolsonaro está colocando seus carrascos para atacar o movimento estudantil e os professores, mantendo um regime de terror e aprisionamento das liberdades democráticas dentro das universidades.

O PCO defende o governo tripartite e a autonomia universitária. Que a comunidade acadêmica escolha seus representantes de forma autônoma!

Fora Bolsonaro! Fora interventores!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Relacionadas