Mobilização estudantil
No último dia 18 de Agosto, foi deferido estado de greve unificado entre as categorias de docentes e estudantes na UEPA, contra a precarização do Ensino Público
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
sdf
Universidade Estadual do Pará | Foto: Reprodução.

No último dia 18 de Agosto, foi deferido o estado de greve estudantil na Universidade Estadual do Pará. A decisão foi tomada coletivamente, na ocorrência de uma Assembleia Unificada online, com a participação do corpo docente e dos estudantes da UEPA, totalizando quase 200 pessoas do Campus.

A assembleia era centralizada no caráter da discussão de forma democrática, promovendo soluções e debates de ideias dentro da instituição, e teve como pauta, a promoção das estratégias de luta das categorias contra o ERE (Ensino Remoto). O debate foi promovido pela SINDUEPA (Seção Sindical dos Docentes da UEPA) e pelo DCE UEPA (Diretório Central dos Estudantes da Universidade do Pará) e era aberta a todos os docentes e estudantes da instituição, sendo divulgadas amplamente em suas redes.

Na assembleia virtual, foi votado e acatado o estado unificado de greve entre os professores docentes, acompanhados dos discentes do DCE UEPA. A adoção da medida sucedeu-se pela defesa da consideração de que as aulas, só devem retornar quando existirem condições sanitárias para que sejam presenciais, sem risco da precarização do ensino que a modalidade da aula remota apresenta, além de ser uma reação aos ataques do Governo Helder Barbalho à educação pública, ao se recusar a ouvir a categoria e determinar no decreto, publicado no dia 12, que não haverá avanço nas negociações dos Planos de Cargos, Carreira e Remuneração, determinando que não haverá maiores investimentos em educação, que em 2019, continuando com a precarização da Universidade.

Nesse sentido, além da óbvia exclusão da parcela mais vulnerável dos estudantes do que é disfarçadamente chamado de Ensino Remoto, proporciona, é válido atentar para o caráter político por trás da institucionalização do modelo. O ERE, é um codinome utilizado para EAD, Ensino à Distância e se caracteriza nada mais, nada menos como mais um processo da privatização do ensino público.

A direita golpista do Governo Bolsonaro e seus aliados governamentais burgueses, utilizam do dinheiro público destinado para a Educação da população para privatizar o Ensino, no sentido de que se aproveitam da paralisação da esquerda com o processo pandêmico para impulsionar essa farsa, que é o Ensino Remoto. Finalmente, entende-se que a medida que o governo transporta a responsabilidade com a educação dos seus ombros para as plataformas digitais, se dá o processo de privatização. Ainda mais considerando a utilização das verbas públicas com a institucionalização do programa.

O EAD (Ensino a Distância) ou ERE (Ensino Remoto Emergencial) é um projeto elitista que está em pauta desde meados de 1990. No ano de 2016, no governo Temer, o projeto foi pautado, mas as mobilizações e ocupações das escolas, barraram a incisão do projeto. Privatizar o ensino em meio a pandemia é a caracterização mais conhecida do golpe em que estamos inseridos, aproveitar o estado de distração em que a esquerda se posiciona é uma carta antiga da direita golpista.

Portanto, entendendo a famosa frase de que patrão só ouve máquina parada, juntamente com a conjuntura histórica de que as mobilizações e finalmente as greves em qualquer categoria são as únicas formas de derrubar os ataques da burguesia capitalista, é necessário seguir o exemplo dos docente e estudantes da UEPA e se mobilizar, posicionando-se contrários aos ataques governamentais da burguesia.

A juventude e todas as categorias devem se unir em mobilização. Volta às aulas apenas com a vacina, pelo governo tripartite das escolas, contra a privatização do ensino público e pelo Fora Bolsonaro e seu governo genocida.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas