Críticas políticas apagadas
Estudante do Instituto de Artes da UFRGS denuncia censura sofrida após postagem contrária à política do CA ser apagada nas redes sociais
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ufrgs
Foto: Arquivo/DCO |

Estudante de História da Arte na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Paulo Felipe denuncia censura feita pelo CA de seu curso a uma postagem dele na rede social Instagram. A censura ocorreu em meio a questionamentos relacionados à política capituladora dos dirigentes da organização estudantil. Segue o relato do estudante:

O Centro Acadêmico Tasso Correa (CATC), representante dos estudantes do Instituo de Artes da UFRGS, que tem a gestão controlada pelo MRT, cometeu mais um erro em sua política de imobilização estudantil: censurou aluno em página oficial da entidade.

Após pressão dos estudantes, o CATC finalmente aderiu à derrubada do governo golpista, ainda que de forma capenga e confusa.

Ao questionar o CA sobre se a palavra de ordem ‘Fora Bolsonaro e Mourão’ não poderia resultar num entendimento que o CA defende Rodrigo Maia presidente, e se não seria mais interessante clamar por ‘Eleições Gerais’ já que Lula foi preso e as eleições de 2018 que elegeram Bolsonaro não se trataram nada mais do que uma mera fraude, um aluno matriculado teve seu comentário excluído e foi bloqueado na rede social.

É possível que a gestão não se importe com eleições fraudulentas, afinal, foram eleitos por meio de uma, ao impedirem a candidatura de uma terceira chapa em conluio com os stalinistas do PCB, que eles, trotskistas, dizem tanto combater, mas, quando é para se aproveitar de uma tecnicalidade burocrática para impedir a candidatura de estudante com direitos assegurados em estatuto, aí eles fazem uma aliança.

Mas é difícil saber qual seria o interesse em apagar o comentário se não fosse verdade que o CA está apoiando uma frente ampla com Rodrigo Maia e o DEM.

Tal capitulação política se reflete na convocação despolitizada que fazem de um evento chamado ‘café poético’, o qual divulgam para o 1º de maio, até mesmo contrariando o chamado do seu próprio sitio de notícias Esquerda Diário por um Primeiro de Maio Classista e Independente.

Sem deixar de mencionar o quanto é óbvio mas ainda necessário dizer que o método de seleção divulgado para participar da atividade é uma armadilha, um tal ‘formulário’ de inscrição em que você coloca seu e-mail para receber depois o link do evento no dia. Será que todos os estudantes serão contatados ou somente os que concordam com tudo que eles dizem?

Neste momento, milhões de brasileiros ainda não viram a cor da esmola de 600 reais que o governo prometeu dar, mesmo após as pessoas se inscreverem. Pode acontecer o mesmo aqui. Será que a classe operária vai ver a cor desse link do zoom?

Os estudantes de História da Arte e Artes Visuais alertam.”

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas