Estudante americana é retida por Israel ao fazer críticas ao governo

bandeira israelense

Lara Alquasem, uma estudante americana de 22 anos foi detida em aeroporto há mais de uma semana por ter demonstrado repúdio a política terrorista do Estado de Israel. O episódio demonstra a dificuldade do estado israelense em tolerar críticas às suas políticas.

Alquasem liderou um grupo universitário que pedia fim à ocupação israelense em territórios palestinos. Ano passado o parlamento israelense aprovou uma lei que permite sanções à indivíduos que criticam abertamente as suas políticas, alegando que estas críticas tendem a denegrir a imagem do governo. Esse acontecimento irá colocar o governo dos Estados Unidos em uma posição delicada com seu aliado histórico, Israel. A estudante realizava um treinamento na universidade hebraica de Jerusalém, instituição que está apoiando a jovem desde que foi retida.

Esse fato demonstra a política terrorista do estado de Israel à população contrária as suas políticas. Essa notícia deve deixar representantes da política pequeno-burguesa como Jean Wyllys preocupados. O político do PSOL não esconde sua admiração ao governo israelense graças ao fato de Israel ser tolerante aos movimentos LGBT e pautas identitárias. Mas um fato que expõe a fragilidade das posições de partidos pseudo-esquerdistas como PSOL.