Estrangulamento econômico: Israel proíbe entrada de combustíveis em Gaza

Trucks carrying food supplies wait to cross into Gaza through Sufa border crossing

O deputado do PSOL Jean Wyllys já afirmou que Israel era um país que merecia ser reconhecido e defendido por todo o mundo. Quem pensasse o contrário, por sua vez, seria considerado pelo psolista como um “antissemita”. No entanto, não há nenhum antissemitismo em dizer as coisas como são: Israel é um braço do imperialismo norte-americano no Oriente Médio.

Ontem, o Estado israelense anunciou que iria cortar, mais uma vez, o fornecimento de combustível e gás na Faixa de Gaza. Independentemente das justificativas utilizadas por Israel, o corte no fornecimento de combustíveis é mais uma retaliação contra o povo palestino.

Israel é um Estado artificial, erguido em um território historicamente ocupado pelos palestinos. O boicote à faixa de Gaza representa, nesse sentido, mais uma investida do imperialismo contra os povos do Oriente Médio, que vêm sendo divididos e destroçados para atender os interesses dos monopólios.

Os ataques de Israel à Faixa de Gaza não podem ser aceitos por qualquer organização de esquerda ou auê defenda qualquer aspecto democrático. Abaixo o Estado de Israel! Fora imperialismo do Oriente Médio!