Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

O estudo “Empresas estatais e desenvolvimento”, lançado no final de janeiro pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), mostra que as empresas públicas são mais lucrativas que as empresas privadas, retornando ao Estado brasileiro em média R$ 19 bilhões anuais entre 2002 e 2016.

O estudo traz uma apresentação geral do Programa de Parcerias do Investimento – principal instrumento apresentado pelos golpistas para suas privatizações; um cotejamento entre os principais argumentos de defesa da adoção do programa de desestatização e alguns indicadores sobre as empresas estatais, apontando a incoerência entre a venda de ativos e o dito equilíbrio fiscal supostamente buscado pelos golpistas; uma discussão sobre o papel das empresas estatais no Brasil, e em outros países, especialmente sobre sua função na promoção do desenvolvimento econômico e no provimento de serviços essenciais à população.

A desestatização pode ser compreendida de três formas: a venda de empresas estatais; a realização de leilões de concessão e permissão para a exploração da produção de bens e serviços públicos pela iniciativa privada; o estabelecimento de Parcerias Público-Privadas para a realização de obras ou execução de serviços públicos; a redução ampla do papel do Estado em suas atividades de provedor de serviços previdenciários, de educação, de saúde.

Em linhas gerais, as empresas estatais reequilibram as injustiças econômicas e sociais provocadas pelo imperialismo, garantindo investimentos de longo prazo em bens de capital, provendo serviços essenciais à vida, promovendo avanços em ciência, tecnologia e inovação.

A realidade é que a concentração de renda no Brasil implica desnacionalização do capital, manipulando de tal maneira o mercado e a sociedade à mercê de agentes externos que mesmo as empresas estatais que cumprem papeis em campos equivalentes como o setor elétrico apresentam um desempenho financeiro superior às empresas privadas.

Por fim, o estudo aponta que em países ditos desenvolvidos, como a Inglaterra, a política atual é de reestatização de determinados setores do mercado – sobretudo os de serviços públicos, como água e energia elétrica. Os autores do estudo concluem: “abrir mão de grandes empresas em setores estratégicos, sobretudo para o capital estrangeiro – ainda que estatal – significa delegar nossa trajetória de desenvolvimento econômico e social a interesses que não são necessariamente os da sociedade brasileira. A venda de empresas que administram recursos estratégicos compromete a soberania nacional. Da mesma forma, a capacidade de o País fazer frente a interesses externos baseia-se, em larga medida, na sua possibilidade de gerir seus ativos estratégicos e assegurar os interesses de sua população”.

Por isso, na via inversa, a política privatista dos golpistas tem apenas um viés: minar a soberania do Brasil, e deixar o controle de setores estratégicos nas mãos de grandes empresas monopolistas internacionais, que passariam a aferir lucros ainda maiores. Tal política entreguista, que só pode ser refreada com a luta contra o golpe, levará o país à ruína econômica e levará o povo brasileiro à miséria.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas