Menu da Rede

Antônio Carlos Silva

A vida encontra um meio...

“Estamos atendendo pelo WhatsApp”

A portas fechadas, patrões se tornam traficantes e funcionários, aviõezinhos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Vejo o mesmo cartaz improvisado colado nas portas de aço de todo tipo de loja na rua comercial por onde passo diariamente. Mas não são só os cartazes que chamam a atenção dos transeuntes. Ao pé das portas baixadas, os vendedores sussurram ao menor cruzar de olhares: “Ei, amigo. Quer entrar e dar uma olhada na loja?” O decreto do governo cientificíssimo de São Paulo fê-las fechar, mas não é páreo para as leis do mercado.

Grandes e pequenas, as que não são padarias, farmácias ou mercados, recorrem ao expediente que parece ter feito de todos os lojistas verdadeiros traficantes de drogas. É o que me veio à cabeça no dia em que tive vontade de comer um pão de queijo. Como de costume, me dirigi à bodega que fica do outro lado da rua. A porta corrediça baixada e o dono escorado à janela, fazendo do parapeito um balcão improvisado, denotavam a chegada de uma nova era para o capitalismo.

Aproximei-me e pedi o de sempre. Ele franziu a sobrancelha e me disse cochichando: “tudo bem, mas… por favor, vá para o outro lado da rua e me espere lá que eu vou levar a maquininha. Eu não posso te atender aqui”. Fui. Recebi meu embrulho e passei o cartão. A que ponto chegamos? Como já vem acontecendo em pequena escala, meio como piada, meio como protesto (como casamentos e cultos religiosos realizados dentro de ônibus), logo mais teremos farmácias que vendem cigarros, lojas de materiais de limpeza anunciando pratos feitos e padarias oferecendo sacos de cimento.

Não foi só a pequena empresa familiar que sofreu. A lei baixada pelo governo paulista perturbou o sono de muitos burgueses, e com razão. O que São João Doria da Vacina fez foi um verdadeiro ato de deslealdade com a classe que ele mesmo representa. O fechamento compulsório do comércio colocou em questão a sobrevivência financeira de muitas empresas. A maioria simplesmente será tragada pelas dívidas e a queda do faturamento. Um patrão, grande ou pequeno, poderia perguntar: “Mas, não haveria outra maneira de ‘combater’ o vírus, mesmo que de mentirinha como o governo tucano vem fazendo?“ Claro que há, e ele também já a está empregando.

Pouco a pouco – e já faz mais de um ano – o Palácio dos Bandeirantes se revela um verdadeiro templo da ciência. Já havíamos descoberto que o coronavírus era um vírus boêmio, gosta de sair à noite e faz pouco caso dos que trabalham durante o dia; prefere as baladas ao invés dos trens e ônibus lotados. Reação científica? Toque de recolher.

Agora, foi-nos revelado que o vírus também é consumista, tem predileção por lojas de departamento, botecos, lojas de sapato, roupas, brinquedos e uma infinidade de outras coisas. A maior perda, no entanto, não será dos proprietários, que forçam seus trabalhadores a manter as portas entreabertas com medo – quem diria! – do rapa. Serão os próprios funcionários dessas empresas – coisa de meio milhão de pessoas em São Paulo – os maiores prejudicados. Os patrões, essa classe de sábios administradores, farão o que sempre fazem em tempos de crise: cortar “despesas”.

O lockdown tucano é o reconhecimento de que toda política adotada até agora – incluindo o espetáculo da campanha de vacinação sem vacina – é uma farsa completa. Com o “fique em casa” e o “feche as portas”, duas ordens contraditórias são dadas à população: trabalhe sem emprego para poder ficar em casa. Mas quem não tem emprego não tem como ficar em casa. É forçado a procurar um meio para sobreviver. E para esses o governo só tem a dizer: “cuidado com o coronavírus” e “use máscara ao sair de casa”.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.