Estados Unidos
O mês de junho registrou taxa de desemprego de 11,1% nos EUA, segundo o Departamento de Trabalho do país, com indicações de crescimento semanais de 1,5 milhões
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
A person walks by rows of stores closed during the outbreak of the coronavirus disease (COVID-19) in Manhattan, New York City, U.S., March 28, 2020. REUTERS/Andrew Kelly
A economia capitalista norte-americana enfrenta dificuldades e o desemprego aumenta drasticamente | (Andrew Kelly/Reuters)

Os norte-americanos registraram crescimento do desemprego nos últimos censos. Segundo dados do Departamento de Trabalho dos Estados Unidos, até última semana de junho, terminada no dia 26, sexta-feira, foram solicitados 1,427 milhões de seguros-desemprego.

Dessa forma, a maior economia capitalista do planeta confere seus planos de recuperação irem por água abaixo, com números negativos, demonstrando sérias dificuldades econômicas na reabertura após a crise pandêmica no país. Mesmo no Texas, estado que tem a segunda maior no ranking estadunidense, as taxas de desemprego são catastróficas.

O mês de junho registrou taxa de desemprego de 11,1%, segundo o Departamento, com indicações de crescimento. A média de solicitação do seguro-desemprego é de 1,5 milhões por semana no último mês. Este é o resultado desastroso de uma tentativa de recuperação, na qual a imprensa informa que o país criou mais de 4 milhões de vagas.

No mês de abril, o desemprego foi de 14,7%, segundo o mesmo órgão, quando mais de 20 milhões de pessoas ficaram desempregadas. Este é um recorde desde a Segunda Guerra Mundial, e um dos mais desastrosos desde a crise da década de 30, onde foram registrados mais 27% de população desempregada. Entretanto, há dados que demonstram uma situação ainda pior. Segundo os analistas David Mericle e Ronnie Walker, economistas norte-americanos do Goldman Sachs Group, o desemprego no mês de abril, na verdade, foi de 25%.

A imprensa burguesa e os capitalistas culpam o período de recessão causado pelas medidas de isolamento por conta do coronavírus. No entanto, é preciso dizer que isso não passa de uma grande balela dos meios de comunicação da burguesia, que trabalham para o imperialismo. Não há como negar que, por onde passou, a pandemia abalou drasticamente a indústria e o comércio nos países, no entanto, é preciso destacar que as medidas tomadas pelos capitalistas para enfrentar a pandemia foram de caráter criminoso, atuando no sentido de salvar os grandes empresários, e abandonar à sorte a classe trabalhadora pobre.

Os Estados Unidos chegaram a ser epicentro da pandemia, posto que agora é do Brasil, e as mortes por corona vírus passaram de 132 mil, em uma crise sanitária que ainda não chegou ao fim. Isso, em si, é um reflexo É o país que mais teve mortes pela doença no mundo, e isso não é uma coincidência para um país onde o capitalismo já é desenvolvido e é o mais rico do mundo. O fato é que não se importam com a vida da população pobre. Não há para onde correr, o desemprego continuará em crescimento.

O Brasil tende a seguir com as mesmas dificuldades, no entanto, de maneira mais extremada. Mesmo os números norte-americanos sendo astronômicos, a proporção do número de mortes pelo total da população mostra que o Brasil vai ainda pior.

Além disso, a perspectiva de desastre econômico para os brasileiros é fortalecida pelo entreguismo do governo Bolsonaro que, ao mesmo tempo que diz “Brasil acima de todos”, aplica uma política de privatização que vende as riquezas do País para o capital estrangeiro, demostrando ser um grande mentiroso, e um ótimo capacho dos capitais estrangeiros, sobretudo dos Estados Unidos.

 

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas