Colômbia: terror vem do Estado
Os massacres contínuos de sindicalistas, indígenas, trabalhadores e políticos da oposição compõem o quadro de intensa repressão estatal e paraestatal contra as populações da cidade
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
d13d6160d613b9f5a55b26a5dc9a11c6(1)
Os massacres do Estado terrorista elevam terror à Colômbia, com 33 mortos em apenas 11 dias. | Foto: Reprodução

Na Colômbia o terrorismo de Estado está em plena vigência. Os massacres contínuos de sindicalistas, indígenas, trabalhadores e políticos da oposição compõem o quadro de intensa repressão estatal e paraestatal contra as populações da cidade e do campo.

É de se destacar os números de mortos este ano, o número de assassinados entre indígenas e defensores de direitos humanos. É na Colômbia onde há o maior número de mortes de ambientalistas em 2019.

Lá vigora um regime de terror estatal e paraestatal, de massacre tantos de civis como de guerrilheiros das FARC que voltaram às armas e do ELN, e também de ex-guerrilheiros das FARC que foram anistiados. A Colômbia é uma ditadura com acentuadas características fascistas, fantoche dos EUA.

Os massacres do Estado terrorista elevam terror à Colômbia, com 33 mortos em apenas 11 dias. Isso mesmo, a Colômbia voltou ao terror dos massacres no campo com 33 mortos nos últimos 11 dias.

Grupos paramilitares armados pelo Estado fascista e financiados pelo narcotráfico, descumprem o pacto de paz de 2016 com a ex-guerrilha FARC e, passam a assassinar ex-guerrilheiros. Exemplo da carnificina promovida pelo estado do Terror é que, entre sexta e sábado, noticiaram que 17 mortos e dois desaparecidos em dois massacres em um país supostamente semiparalisado pela pandemia.

O relatório preliminar dá conta 11 mortes: cinco em Arauca, na fronteira com a Venezuela, e seis no departamento de Cauca. Contudo, apenas John Rojas, governador de Nariño, um departamento vizinho de Cauca e fronteira com o Equador, informou sobre um “novo massacre” com seis vítimas e dois desaparecidos no município de Tumaco, onde há um grande número de plantações de coca.

A dinâmica dos massacres se repetem. Os episódios são encadeados mais ou menos da mesma maneira: um grupo armado invade e abre fogo em áreas remotas ou leva suas vítimas e depois deixa seus corpos. A maioria dos mortos são jovens.

Também na sexta-feira, no massacre de El Tambo (Cauca), mataram seis homens. Há um requinte na crueldade dos fascistas, os agressores os fotografaram “quando foram levados para mostrá-los antes de massacrá-los”, disse o presidente da comissão de paz do Senado, Roy Barreras.

Presidente Iván Duque, finge assombro e desconhecimento sendo certo que os grupos fascistas têm a cobertura do Estado. Assim, ao percorrer algumas zonas castigadas por estes massacres, diz cinicamente que é lamentável que estes “dolorosos acontecimentos” não “tenham desaparecido”.

O imperialismo é quem coordena o desaparecimento físico da oposição que é assassinada à luz do dia por grupos fascistas armados pelo próprio Estado.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Relacionadas