Privatização e golpe de Estado levam trabalhador dos Correios ao suicídio

Patropi

Nesta segunda-feira (16/04), o trabalhador dos Correios Edmilson Barbosa, conhecido por Patropi, que trabalhava de OTT (Operador de Triagem e Transbordo) no CPT (Complexo Principal de Triagem) do Jaguaré em São Paulo, foi encontrado morto, enforcado, com indícios de suicídio.

Patropi, que já foi diretor do sindicato dos trabalhadores dos Correios de São Paulo, e que sempre se colocou contra a opressão dos trabalhadores dos Correios pelos chefes da empresa, estava nos últimos dias sendo assediado pela chefia.

Acusado de forma arbitrária pela chefia dos Correios de estar desviando mercadoria na empresa, Patropi foi suspenso e com dificuldades financeiras estava aguardando o desenvolvimento do seu processo sem receber salário ou qualquer ajuda financeira.

Lembrando que o processo contra Patropi estava se desenvolvendo no mesmo momento que o Correios foi tomado pelos golpistas do PSD (Partido Social Democrata), que apoiaram o golpe de estado no Brasil, onde o governo foi parar nas mãos do quadrilheiro Michel Temer que vem sucateando a empresa, com incêndios nos Centros de Triagem que está levando em um processo acelerado de destruição da ECT (Empresa brasileira de Correios e Telégrafos).

É por isso que os trabalhadores dos Correios, diante desse trágico incidente com um trabalhador ativista contra a privatização dos Correios, tem que se organizar contra o golpe e impedir que a direita reacionária, que quer um estado policialesco contra o povo brasileiro, tem que formar comitês de luta contra o golpe e contra a privatização dessa empresa estatal.