Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

A “luta contra a corrupção” já foi utilizada como justificativa para todo tipo de ataque aos direitos democráticos dos brasileiros: condenou o maior líder popular do país, derrubou uma presidenta eleita por mais de 54 milhões de votos etc. Recentemente, o jornal Gazeta de Alagoas revelou que o novo superintendente regional da Polícia Federal em Alagoas será responsável por “tentar impedir a malversação do dinheiro público para fins eleitoreiros”.

Em outras palavras, o “Dallagnol alagoano” irá decidir com o que será gasto o dinheiro público. Consequentemente, o fato de os deputados terem sido eleitos e terem o direito, previsto na Lei, de utilizarem emendas parlamentares não servirá de nada. Afinal, a opinião dos “honestíssimos” membros da Polícia Federal é muito mais importante, para os golpistas, do que os votos da população.

Nenhuma justificativa moral pode ser aceita em meio a essa arbitrariedade. Não se pode acreditar que os superintendentes da Polícia Federal sabem melhor como investir o dinheiro público – pelo contrário, o fato de eles não serem eleitos por ninguém os torna ainda mais corruptíveis e submissos aos interesses do imperialismo.

O caso de Alagoas é mais um entre tantas arbitrariedades após o golpe de Estado. Por isso, é necessário que a classe trabalhadora e os setores democráticos se levantem contra o golpe, participando dos comitês de luta contra o golpe.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas