Estado de emergência nacional: Trump ameaça aumentar a crise política interna pela construção de muro com o México

O presidente dos EUA, Donald Trump, assim como a fraude brasileira chamada Jair Bolsonaro, com muito tempo livre e pouca coisa na cabeça, pelas redes sociais como um adolescente, faz seu showzinho particular. Dessa vez manda avisar que quer porque quer uma desgraça de um muro na fronteira com o México.

Essa porcaria de muro, segundo o imbecil da América do Norte, servirá para impedir a entrada de imigrantes no território dos EUA. Perigosos e altamente qualificados imigrantes que roubarão os preciosos empregos dos norte americanos.

Seria necessária uma população muito estúpida e sem absolutamente um mínimo de compreensão do mundo em que vivem para apoiar as sandices da criança loira, de olhos claros e jeito desengonçado de andar. Como sabemos que essas características não combinam com a classe trabalhadora, algo maior está por trás desse governo.

O congresso norte americano insiste em não aprovar o orçamento para o muro, talvez por acreditarem que voltarão ao poder -seja pelo impeachment do atual presidente, seja pela via eleitoral nas próximas eleições- e poderão fazer algo ainda mais agressivo contra os imigrantes que uma simples barreira física. Quem sabe permitir sua entrada e usar uma parte como mão de obra bem baratinha e outra para lotar os presídios privados do país.

Com absoluta certeza, os democratas não estão preocupados com os imigrantes e suas crianças presas em gaiolas sendo mortas eventualmente. Para eles colocar essas crianças em gaiolas é algo muito suave -quase uma caridade- em se tratando de imigrantes de países explorados ao limite em que pessoas não suportem mais e queiram fugir.

O que os democratas gostam mesmo é de derrubar governos a exemplo do Brasil, quando arquitetaram o golpe sobre a presidenta Dilma Rousseff, e de jogar bombas nos países que ousam desafiar suas intenções imperialistas. Tudo democraticamente, claro.

Como pirraça ao congresso, que não aprovou o projeto do forte Apache de Playmobil na fronteira com o México, a criança mimada, cortou as verbas de um quarto do governo federal, levando à paralisação dos serviços e deixando quase um milhão de trabalhadores sem salário e provocando a morte de pessoas.

Essa paralisação dos serviços também ameaça a segurança alimentar de quase 40 milhões de cidadãos norte americanos, que podem não receber o auxílio alimentação fornecido por órgãos do governo que estão temporariamente parados.

Enquanto Trump persegue os trabalhadores e os imigrantes nos EUA, sua versão pobre e igualmente afetada intelectualmente, Jair Bolsonaro, persegue a classe trabalhadora de forma geral no Brasil, mas especialmente os sem terras, os povos indígenas e as lideranças populares, como Lula, que está sequestrado pelo estado brasileiro a pouco menos de 300 dias.

Tanto nos EUA, como no Brasil e em qualquer parte do mundo, a função dos partidos de esquerda, organizações populares, sindicatos, etc. é organizar a classe trabalhadora para a luta econômica, social e política contra a burguesia. Levar os trabalhadores a ocuparem as ruas, as fábricas e as terras no campo para impor um governo operário, proletário e enfim democrático.