Estadão reclama da popularidade de Lula e pede ao PT que pare de denunciar perseguição política

23596546

A manifestação de dezenas de milhares de pessoas em frente ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), no dia 15, registro da candidatura de Lula a presidente da República, demonstrou para a burguesia golpista que não será tão simples impugnar a candidatura de Lula.

Não bastou o impeachment e a prisão de Lula, pois os golpistas que querem proliferar no poder, ainda terão que derrotar a candidatura Lula,  impugnando-a, ou através da maior roubalheira eleitoral que possa fazer, já que Lula sozinho tem mais intenção de votos que todos os candidatos presidenciáveis juntos.

O jornal golpista Estadão foi o primeiro a mostrar medo diante do registro da candidatura de Lula. Publicou em seu editorial nesta sexta (17), o choro de quem está preocupado com a denúncia do PT de que Lula é um preso político.

Para o Estadão, a denuncia está surtindo efeito, pois Lula é muito popular, a justiça golpista precisa impugná-lo para que ele não concorra e obviamente não ganhe a eleição.

Só faltou o editorial do Estadão xingar o PT pelo fato de complicar a vida dos golpistas que terão que mostrar toda sua parcialidade antidemocrática, tendo que cassar o candidato mais popular da eleição.

Se não bastasse a questão da candidatura de Lula escancarar a perseguição política dos golpistas a ele, o Estadão também chora em seu editorial a liderança de Dilma Rousseff nas pesquisas eleitorais para o cargo de Senadora do Estado de Minas Gerais.

O jornal golpista, que atuou em todo momento como militante do golpe de Estado no país, só está comprovando o quanto produz notícias falsas (fake news), para garantir o golpe no Brasil.

Na época do impeachment, o Estadão dizia que Dilma era a presidenta mais impopular do mundo, agora chora o fato de Dilma ser a candidata ao Senado mais popular do país, na terra dos senadores golpistas do PSDB,  Aécio Neves e Antônio Anastasia, que sequer irão concorrer este ano, sabendo que perdem fácil de Dilma Rousseff.