A perfídia dos golpistas
Em matéria publicada pelo jornal golpista Estadão, dessa segunda-feira, 10, é lançado um ataque feroz contra a população. Como diz o ditado: filho feio não tem pai.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
1*UJxGPnKzjIyBdQATPsfzjA
Editorial do jornal golpista Estadão pedindo impeachment de Dilma Rousseff em 2016 | Foto: Reprodução

A perfídia da imprensa golpista não tem limites. Os jornais da burguesia que atuaram em conjunto para deflagrar o golpe de 2016, impulsionando o recrudescimento da extrema-direita e eleger o fascista Jair Bolsonaro, agora culpam o povo e tentam se eximir das suas responsabilidades maternas; afinal – foi a imprensa burguesa que pariu Bolsonaro.

Em matéria publicada pelo jornal golpista Estadão, dessa segunda-feira, 10, é lançado um ataque feroz contra a população. Como diz o ditado: filho feio não tem pai. Se a situação do Brasil caminha para uma escatologia, sabemos bem quem foram os propagandistas da burguesia, os que atuaram para empreender um ataque contra as organizações de esquerda e a classe trabalhadora de conjunto. Desde a derrubada do governo de Dilma Rousseff em 2016, a tarefa dos porta-vozes dos capitalistas tem sido em aprofundar os ataques contra os trabalhadores e entregar o país ao imperialismo. Nesse percurso, Bolsonaro surgiu como uma alternativa aos planos de implementação de uma política de terra arrasada no país. Ora, não era esse o papel dos jornais golpistas?

É praticamente impossível esconder as atrocidades de Bolsonaro e seus asseclas. A displicência e a completa falta de compromisso do mandatário fascista com a população é notória. Já era esperado que os jornais da burguesia buscassem livrar-se do cordão umbilical que ligava o feto à genitora. E não nos enganemos, esse parto não é nada doloroso para os golpistas. A máxima ainda é corrente: os fins justificam os meios. Em todo caso, a culpa pode ser jogada para o povo. De acordo com o Estadão, toda essa situação é culpa do povo e sua “falta de educação cívica”. Nada mais ignóbil que essa afirmativa. Obviamente, a responsabilidade pela ascensão do bolsonarismo, que na ficção elaborada pelo jornal golpista, seria “consequência da incapacidade de muitos brasileiros”, só pode ser completamente falsa. Essa manobra dos golpistas busca isentá-los de seu próprio papel na campanha sórdida, abertamente golpista, levada adiante pela sequência de eventos que culminaram na eleição de Bolsonaro e na atual defesa de seu mandato.

“Bolsonaro, contudo, é apenas uma consequência da incapacidade de muitos brasileiros de compreender como funciona um governo e o que se deve esperar de um presidente”, afirma o Estadão. “Bolsonaro, portanto, é o sintoma de um mal muito maior. Há no País uma enorme carência de educação cívica (…)”, complementa o jornal golpista.

Nada mais descarado para um jornal que nunca defendeu os direitos democráticos da população e tampouco se preocupou com a suposta “educação cívica” dos brasileiros. O apoiador do golpe contra a presidenta Dilma Rousseff estaria arrependido? De maneira nenhuma! Essa é apenas uma tentativa de deturpar os acontecimentos, ignorando seu papel no golpe de 2016 e na eleição de Bolsonaro. É assim que os jornais burgueses atuam, sempre contra a população. Além de praticar o crime, eles trabalham para incriminar o povo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas