Dória mata. Estadão defende.
Estadão defende o retorno escolar imposto por Doria. Genocídio não abala a imprensa porta-voz da burguesia brasileira.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Bolsodoria
Doria e Bolsonaro, igualmente genocidas. | Foto: Reprodução.

Os conglomerados da imprensa brasileira são tradicionais aliados da direita brasileira, do imperialismo, agem de forma descarada contra os direitos democráticos da população e são inimigos declarados do povo operário brasileiro, adotando sempre políticas diametralmente opostas a qualquer horizonte de emancipação do povo brasileiro, não bastasse, agora o Estadão defende o retorno das aulas presenciais anunciado pelo Governador João Dória.

Em matéria publicada pelo Estado de S. Paulo no dia 28/12, o jornal faz uma clara propaganda para o retorno das atividades presenciais das escolas paulistas, sejam elas públicas ou privadas. A condução da matéria pode dar a impressão de isenção do jornal, porém, em uma análise mais minuciosa, percebe-se que toda a prolixidade do artigo não se sustenta perante os tristes números de mortos e infectados no estado de São Paulo.

Em um primeiro momento, a matéria cita a emoção do retorno às atividades presenciais de uma professora que leciona em uma escola particular frequentada, como diz na reportagem, pelos filhos da elite econômica de São Paulo e dispõem de toda a infraestrutura adequada para o cumprimento dos mais diversos protocolos referentes à pandemia do coronavírus. Nesse sentido, há de se observar que a esmagadora maioria dos estudantes de São Paulo não possuem uma ínfima parte das condições sociais comuns a elite paulista e paulista, estando de fato, mais expostos ao contágio do vírus.

Em um segundo momento, o jornal afirma que um grupo de pediatras (quem?) havia lançado um manifesto (qual?) em apoio ao retorno das aulas presenciais, tendo como base, uma série de pesquisas (quais?) que determinam o baixo contágio e os poucos efeitos adversos à saúde em crianças. Ou seja, sem citar nenhuma fonte, o jornal entrega ao leitor todo um falso embasamento científico sobre o tema, levando a crer que a experiência europeia pode servir de parâmetro para o Brasil, fato muito distante da realidade. Seguindo, o texto exalta sua falsa preocupação com os mais pobres alardeando as já conhecidas mazelas sofridas pelo povo operário brasileiro, enfatizando o abismo social que se acentuou sem as aulas presenciais em função da falta de acesso à internet.

Por fim, o texto discorre sobre a necessidade da manutenção de protocolos, sobre percentuais de ocupação das escolas em função das fases vivenciadas durante a pandemia e exalta o aporte de insumos feito pela Secretária de Educação, como se fosse um favor e não uma evidente obrigação do Estado.

Os fatos são: João Doria definiu o início do ano letivo de 2021 em 4 de fevereiro, não importando em que situação a pandemia esteja no Estado. Vale lembrar que São Paulo detêm o maior número de mortos e de infectados no Brasil, além de não ter feito absolutamente para frear o avanço do contágio, tendo em vista que a adoção de isolamento social é inviável para a maioria do povo trabalhador que se abarrota em transportes públicos precários, vivem em moradias desfavoráveis para isolamento e precisa sair às ruas para garantir seu sustento.

A falsa preocupação levantada pelo jornal porta-voz da inescrupulosa burguesia nacional se justifica apenas como enganoso alarme sobre a realidade que todos já sabemos: o exponencial aumento de casos com o retorno das aulas e o consequente desgaste político do menino de ouro da burguesia brasileira perante o seu retumbante fracasso frente a pandemia e a impossível dissociação de sua figura com seu suposto inimigo, Jair Bolsonaro. Portanto, não se enganem, Bolsonaro e Doria, são irmãos no fracasso diante da pandemia do novo coronavírus.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas