Imprensa golpista defende PSOL
O que faria uma reconhecida jornalista da direita defender Boulos e atacar o PT?
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
vera
A jornalista da imprensa golpista, Vera Magalhães. | Arquivo.

Política é um jogo de interesses e nela apenas os amadores dão ponto sem nó. Na imprensa burguesa, nos grandes jornalões inimigos do povo, no entanto, não há amadores, apenas cobras criadas.

Em resposta a uma coluna do Brasil 247, a jornalista Vera Magalhães acusa o colunista, filiado ao PCO, de ser petista e de transformar o “companheiro” Boulos em “burguês”. Até comemora o fraco resultado de Jilmar Tatto, “Vai ter frente Ampla sem petista na cabeça, sim!”.

Vera Magalhães não é uma jornalista menor, colunista do jornal O Estado de S. Paulo, Editora do BR Político (filiado ao Estadão), apresentadora do Roda Viva na TV Cultura, com passagens pela Folha, Veja, Jovem Pan (Na época do golpe!) e até da ilibada Rede Globo, casada com o também jornalista (com tão ilibado currículo) e ex-assessor do PSDB, Otávio Cabral.

Vera, para os incautos ou que querem acreditar nessa fantasia, estaria criticando o chamado hegemonismo, para usar a palavra da moda, do PT. Esta é a tese de que o PT tem que abrir mão de ser o cabeça de chapa em eleições, de querer ser o principal partido de esquerda e apoiar outros candidatos. Grande Vera! Palmas à jornalista tucana que se preocupa com a democracia interna do campo progressista!

Brincadeiras à parte, está na hora de reconhecermos algumas coisas que deveriam ser óbvias. É direito de qualquer partido lançar candidato, PT, PSOL e PCO, por exemplo, estão separados por uma razão, têm divergências entre si. O PT, maior partido do País, tem direito sim de ter candidato onde quiser. Existe uma campanha vinda de jornalistas como Vera, porta vozes dos grandes capitalistas, que querem que o PT doe seu eleitorado a outros candidatos, que não lance candidaturas próprias e apoie candidaturas de outros partidos, isso tem muito a ver com a frente ampla.

Analisemos dois cenários, um em que Jilmar Tatto termine o 1º turno com 10% e Boulos com 2%, nenhum dos dois indo ao 2º turno, que se torna uma disputa entre Russomanno e Covas. Neste cenário, jornalistas como Vera Magalhães exigirão o tal “compromisso democrático” que o PT apoie qualquer coisa (o PSDB, claro) contra Russomanno. O presidente Lula já disse contrário a apoiar frente ampla de qualquer tipo, principalmente, nas palavras dele, com pessoas sem compromisso com os direitos dos trabalhadores. É possível fazê-los apoiar os tucanos, vai ser um momento de intensa crise dentro do PT, tendo Lula que reverter sua posição já estabelecida.

Vejamos o caso inverso, Boulos é o candidato majoritário da esquerda, mesma exigência da burguesia. O PSOL tem um histórico muito pior na história recente, Boulos e Freixo já integram a frente “Direitos Já”, nela estão PSDB, MDB e outros partidos inimigos do povo, na base do tal vale tudo contra Bolsonaro. Freixo já declarou que faria isso: “Num segundo turno contra o Crivella, sim. Já fiz isso contra o Witzel. Tenho grandeza democrática.” – Disse o psolista ao Globo.

Para o Estadão, e nisso temos de dar-lhes razão, transferir o eleitor do PT ao PSOL é apenas um intermediário para transferi-lo depois para o PSDB e o centrão.

Ela ainda sugere o que vai ter frente ampla (contra Bolsonaro) sem o PT na cabeça, isso é óbvio, a tal frente ampla não existe com um candidato do PT no segundo turno, a própria Vera Magalhães prova isso, dois anos atrás teve a possibilidade de defender a frente ampla contra Bolsonaro, naquela época disse, por exemplo:

“Por fim, se chega à relação com a imprensa. É louvável que ele [Bolsonaro] tenha firmado por escrito no programa de governo o compromisso com a liberdade de imprensa – ao contrário de seu adversário, Fernando Haddad, cuja proposta fala textualmente em controle social da mídia”.

A imprensa burguesa não prefere Bolsonaro, mas o defenderá contra o PT, este segundo não querem de forma alguma. Não querem, pois, através do PT, os sindicatos da CUT tem um ponto de pressão importante, o PT apoia-se num eleitorado operário que não pode ser ignorado de completo. Lula é um conciliador, é verdade, mas como tem gigante base social, não pode virar um tapete para os empresários pisarem, correria o risco de desaparecer como liderança. A burguesia quer uma esquerda completamente domesticada, que não sirva de ponto de apoio político para a classe operária, uma esquerda sem capacidade de pressão.

O PSOL é exatamente o que Vera Magalhães, a burguesia e o PSDB querem. Sua base social: pequena, difusa e inteiramente de classe média, Freixo é o candidato do Leblon no Rio, Boulos não tem voto na periferia. Há algum movimento sindical importante no PSOL? Não. Estudantil? Não. Popular? Não. O MTST, da qual Boulos é liderança, não é psolista. Faça uma eleição de mentira entre Lula e Boulos nas ocupações e veja quem ganha, quantos votaram em deputados do PSOL? Quem conhece sabe inclusive que a filiação de Boulos ao PSOL não foi bem vista por membros do movimento. 

Muitos, principalmente nós do PCO, criticam as alianças absurdas do PT e funcionamentos antidemocráticos internos, mas o PSOL não está muito à frente.

Freixo já diz votar até no demônio contra Crivella, Luciana Genro apoiou a Lava Jato, a bancada do PSOL apoiou as 10 medidas de Deltan Dallagnol, tem cidades em que está aliado com MDB e PSDB, em 2018 um golpe convenção escolheu Boulos candidato a presidente sendo que o homem estava filiado há menos de 24 horas, como se escolhe um candidato que nem é do seu partido?

Um partido que não é lastreado em nada, que não é controlado pelos seus membros (como vimos no caso da escolha de Boulos em 2018), é capaz de tudo, inclusive de virar o tapete para a burguesia pisar.

Vera Magalhães e o Estado de S. Paulo manipulam o PSOL para tentar isolar o PT e criar uma alternativa inofensiva a ele, os psolistas ao invés de ver o golpe, dizem, incrédulos, “pela primeira vez, sou obrigado a concordar com Vera Magalhães”. Não é a primeira vez e ao que tudo indica, infelizmente, não será a última.

Finalmente, a frente ampla apenas depõe a favor de Bolsonaro. Ele se apresenta falsamente como anti sistema, contra o que está estabelecido. Em resposta, setores da esquerda pulam no colo do sistema, personificado em jornalistas tucanas e candidatos golpistas. Bolsonaro não está certo, mas seria interessante parar de dar munição ao inimigo. 

Para nós do PCO, qualquer “frente ampla” fortalece apenas o PSDB num primeiro momento, e no longo prazo, o bolsonarismo. Frente ampla é uma traição.

O PSOL usou e abusou da acusação de que o PT sacrifica o bem comum em nome  de manter sua primazia na esquerda. Na verdade é o próprio PSOL que tentando ganhar meia dúzia de cidades se torna uma marionete dos interesses do grande capital, que até mandam jornalistas muito bem remunerados para defendê-los.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas