Crise na política da direita
Neoliberais como o Guedes e o imperialismo em choque contra o presidente e o congresso. Fica aberto um flanco para a luta da classe operária, e vai depender das suas lideranças
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
49019511151_37bc767c30_c (1)
Presidência do Senado | Foto: Palácio do Planalto

A economista Zeina Latif em entrevista ao jornal Estadão, diz que o governo Bolsonaro errou no tamanho do ajuste fiscal colocado em prática no início do ano. Foi menor que o necessário para manter a economia nos trilhos, e também não vê condições para que o ano termine sem estouro no teto de gastos.

O outro caminho para manter a economia estável seria a reforma estrutural, mas o presidente não tem aceitado essa medida proposta pelo Paulo Guedes, uma vez que depende do congresso a aprovação, e nesse sentido o congresso e o Bolsonaro não parecem dispostos a aceitar, já que envolve medidas impopulares.

Nesse impasse entre as alas de Bolsonaro e do Guedes, parece ser inevitável algum tipo de aumento na carga tributária, o que reduz a capacidade de crescimento da economia. A economista se coloca contra o aumento dos impostos pelo motivo exposto anteriormente. 

E ainda reforça que o ambiente de dívida crescente e falta de comprometimento do governo gera um quadro de instabilidade macroeconômica, sendo necessário alguma flexibilização do teto de gastos. Também seria necessário que o presidente sinalizasse a intenção de manter o teto de gastos e fazer as reformas.

O que acontece de fato é que para manter a economia minimamente estável seriam necessárias reformas fiscais ou reformas administrativas além de investimentos estatais ou subsídios para a iniciativa privada.

E todas elas levam a prejuízo para a classe trabalhadora, portanto serão impopulares, aumentando a pressão dos trabalhadores sobre o governo. Afinal no sistema capitalista quem paga a conta são sempre os trabalhadores, e enquanto que os empresários são poupados.

Esse impasse tem colocado a burguesia em frontal choque entre si. A ala bolsonarista, congresso e governo, não quer medidas impopulares como a reforma estrutural, que leva a mais desemprego com efeitos mais imediatos. Optam assim por reforma fiscal.

A outra ala, de cunho mais fortemente neoliberal como o Guedes, faz pressão pelas reformas estruturais e cobra fortemente o governo para implantar de imediato essas medidas, colocando o risco iminente de romper o teto de gastos e com pedaladas fiscais para manter um pouco de estabilidade.

Como o Guedes é o representante oficial dos banqueiros imperialistas, a corda fica mais apertada para o presidente Bolsonaro, que tem que articular mais firmemente com o congresso, fazendo mais concessões a ele, e ficando preso na malha do legislativo.

Considerando que o imperialismo não pode abrir mão do fascismo, isso deixa o presidente com alguma folga em se manter no poder. A contradição no campo da burguesia deixa um flanco aberto para a intervenção da classe trabalhadora. Se ela conseguir aproveitar pode chegar a uma luta com possibilidade de sucesso, pondo abaixo de vez o regime capitalista imperialista.

Os trabalhadores têm mostrado disposição para a luta, como vemos nos crescentes movimentos sociais. É preciso que as lideranças sindicais e partidárias assumam a vanguarda da luta, pois a conciliação de classe só leva à derrota dos trabalhadores, impondo longo período de retrocesso e perdas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas