Direito das mulheres
a esquerda invés de se contrapor a direita atraves de uma ampla campanha pelo direito do aborto, procura estabelecer o controle da rede social
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ato pelo aborto | arquivo

 

A campanha contra o aborto promovida pela direita intensificou-se nesta semana, após o episódio do aborto da criança de 10 anos. Esse movimento pró-aborto agrupa os setores de direita que utiliza-se da campanha contra o aborto para atacar os direitos das mulheres e do conjunto da população.

Os setores da esquerda demostraram uma extrema confusão, pois invés de rebater a campanha da direita e apresentar de manheira concreta a pauta da defesa das mulheres, em especial da defesa do direito do aborto, passaram a maior parte do tempo procurando incriminar aqueles que falaram contra o aborto, em especial a militante bolsonarista Sara Winter.

A questão fundamental é a contraposição contra a campanha da direita e aproveitar para demostrar a importância do direito do aborto, do absurdo da campanha da direita, que nem mesmo no caso da criança estuprada, o direito ao aborto é garantido.

Um exemplo disso, foi o artigo assinada por Djamila Ribeira na Folha de São Paulo, descriminalizar aborto e desafiar privilégios concedidos aos homens, em a preocupação central é justamente o estabelecimento da censura nas redes sociais, e não uma ampla campanha pelo direito ao aborto.  o que pese a defesa pela autora do direito ao aborto na sua coluna, o centro do artigo a constituição de mecanismos de punição de quem expôs  os dados pessoais da menina estuprada e de seus familiares.

A situação política evidencia que a direita utiliza cada acontecimento para aprofundar a ofensiva contra os trabalhadores, a campanha contra o aborto é a exploração demagógica para reprimir ainda mais as mulheres, um dos setores sociais mais explorados. Tradicionalmente, os ataques contra as mulheres é uma estratégia permanente das classes dominantes não para impor o machismo em abstrato, mas para estabelecer a submissão e a opressão constante das mulheres, e do conjunto dos explorados.

Para combater a ofensiva da direita é preciso uma ampla campanha pelo direito ao aborto.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas