Esquerda que se solidarizou com Bolsonaro, se cala sobre capoeirista assassinado por bolsonarista

hjhkj

O avanço da extrema-direita faz mais uma vítima, dessa vez o Mestre Moa do Katende. O capoeirista, foi morto brutalmente a facadas no estado de Salvador por apoiador do candidato fascista, Jair Bolsonaro. O fato se deu no fim de semana eleitoral, e posteriormente como de costume veio a notícias acerca do assassinato pela imprensa burguesa e afins, mas evidentemente de maneira contida e quase inexistente.

Mas o que precisa ser destacado aqui, está no papel da esquerda com o ocorrido. Mestre Moa, foi morto por 12 facadas, isso representa uma direita fascista que não sente mais nenhum impedimento para entrar em cena, e por em prática os atos mais pérfidos contra aqueles que lutam para combate-los. Esse é o momento onde a esquerda deve se posicionar veementemente contra o ataque dos fascistas e fazer isso na prática. Sendo essa, a maneira real de combate ao fascismo.

Isso nos remete ao anterior acontecido, quando Bolsonaro, sofreu o suposto atentado no mês de setembro. O caso teve grande acompanhamento e sensacionalismo costumeiro por parte da imprensa burguesa, mas o que não se esperava, seria a esquerda fazendo o mesmo papel, ou seja, se solidarizando com o candidato fascista que clama pelo seu massacre e representa tudo aquilo que esmaga a população de conjunto. Uma esquerda que oferece a outra face pro fascismo bater.

Nesse momento, a esquerda pequeno-burguesa faz vista grossa para o que aconteceu com Mestre Moa. Sendo ele,  o único digno de solidariedade e não o fantoche da extrema-direita que massacra o povo. Não há solidariedade e ou comoção para aquele que promete metralhar uma comunidade ou que a ditadura devia ter matado 30 mil pessoas, mas foi esse o papel no qual esse setor se colocou. Agora não há, comoção ou destaque com a morte execrável do capoeirista, quer dizer, o que a imprensa golpista ditar a esquerda pequeno burguesa acata.

Os fascistas já estão aí a muito tempo, a diferença é que neste momento com o golpe e avanço da extrema-direita -por conta do mesmo- o cenário os deixou a vontade e se a esquerda não se coloca prontamente a combater os cães da direita, este é o resultado. Não tem dialogo ou solidariedade com fascista, a resposta é prática e física.