Contra a frente com golpistas
Setores da esquerda do PT se posicionaram publicamente contra o apoio de deputados da legenda em candidatos da direita, sob a justificativa de enfrentar um suposto “mal menor”
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Natália-Bonavides-no-plenário-da-Câmara-Federal
A deputada federal Natália Bonavides (PT - RN) se posicionou contra a política do "mal menor" | Foto: Gustavo Bezerra

A chamada política do “mal menor” foi empregada amplamente pela esquerda durante as eleições municipais. A ideia era votar em algum candidato impopular, geralmente da direita tradicional, contra algum outro que estava sendo usado como “espantalho”, geralmente um que fosse apoiado por Bolsonaro. A justificativa era de que tudo era válido para derrotar os candidatos de Bolsonaro nas eleições municipais. O exemplo mais gritante dessa política foi no Rio de Janeiro, em que uma parte da esquerda apoiou Eduardo Paes (candidato do DEM, partido da ditadura), para derrotar o bispo Marcelo Crivella (Republicanos).

Essa política tem muita serventia para a frente ampla, defendida pela burguesia e pelos setores mais oportunistas da esquerda. O que ela faz, na prática, é colocar parte da esquerda a reboque de algum candidato da direita, sobre a base de algum acordo esdrúxulo no qual o povo não tem participação nenhuma. Finalmente, o candidato direitista recebe os votos da esquerda sem dar nada em troca para a população que votou nele sem querer votar, enganada pelo candidato da esquerda em quem costumava confiar. O resultado disso é uma série de vitórias eleitorais para partidos como DEM, PP, MDB ou PSDB, todos profundamente comprometidos com a consolidação do golpe e com o esmagamento da população.

A esquerda se mostrou disposta a se usar desse mesmo princípio político nas eleições para o presidente da câmara, estando disposta, por um lado, a apoiar o candidato do “centrão” contra o candidato bolsonarista e até tem um setor disposto a apoiar o próprio candidato de Bolsonaro, Arthur Lira. No entanto, os setores mais esquerdistas do PT parecem ter se dado conta do sentido dessa manobra e do quão prejudicial ela acaba sendo no final das contas e estão se manifestando contra. Uma das pessoas que veio a público se posicionar contra esse apoio à direita no congresso é o jornalista Milton Alves, em coluna sua publicada no sítio do Brasil 247, com o título Eleição na Câmara: Momento político exige nitidez e autonomia da esquerda.

Em sua matéria, Alves faz uma crítica à esquerda de conjunto, classificando-a como “sem rumo tático imediato, dividida, e sem iniciativa política e ideológica no parlamento e na base da sociedade”. Ele critica o que chama de “postura rebaixada” da esquerda de se aliar com a direita neoliberal em nome de combater um suposto “mal menor”. Ele ainda comenta que muitos setores da esquerda estão dispostos a abrir mão de seu programa em prol dessa aliança com a direita.

Ele relembra o caso da FUNDEB para mostrar por que não se deve fazer tais acordos sem sentido em momento algum. Neste caso, aprovou-se o projeto que em tese financiaria a educação básica no país, mas que, no momento em que sua regulamentação, a direita manobrou e o regulamentou da maneira que ela sempre planejou, com cortes no orçamento e mais dinheiro para os “tubarões” das escolas privadas. No fim das contas, cerca de R$ 16 bilhões que iriam ser utilizados para educação pública poderão ser destinados para salvar os cofres dos tubarões do ensino pago. Tudo isso feito sem que a esquerda pudesse reagir, por ter sido pega de surpresa no momento da regulamentação da lei.

O colunista segue fazendo a denúncia de que há, dentro do PT, três políticas em disputa: a primeira, que seria a mais correta para um partido de esquerda dentro de um congresso nessa situação, seria a de lançar candidatura própria, mesmo sem a perspectiva de vitória. A segunda, é a de continuar com a política de frente ampla com a direita golpista das eleições e apoiar o candidato que for lançado por Rodrigo Maia (ainda não definido), que se colocaria como oposição a Bolsonaro dentro da direita. E, surpreendentemente, existe até um setor do PT disposto a apoiar o candidato bolsonarista, Arthur Lira. Ou seja, a esquerda está totalmente desorientada dentro do Congresso.

O colunista defende que o correto seria lançar uma candidatura própria da esquerda, e uma “plataforma em defesa do povo contra a política de fome, miséria e morte do governo Bolsonaro”, e, além disso, “fazer a disputa política ao mesmo tempo contra o bolsonarismo e a velha direita neoliberal”. Finalmente, ele também coloca que deve-se “abandonar qualquer veleidade de cretinismo parlamentar de priorizar cargos e posições”, procurando trazer novamente a luta da esquerda para as ruas.

A posição de Milton Alves é correta e é um importante indicativo de que um setor do PT tem consciência do fracasso que foi a política de frente ampla nas eleições, levada adiante pela ala direita do partido e pelos outros partidos da esquerda pequeno-burguesa mais oportunistas, como PSOL e PC do B. Além disso, a deputada federal Natália Bonavides (PT-RN) também se colocou contra o apoio à direita, utilizando a sua conta no Twitter para expor a sua posição:

A deputada também cita o caso da Fundeb para relembrar o que acontece com quem é ingênuo o suficiente para apoiar os setores mais parasitários e vampirescos da política nacional. A esquerda não deve apoiar nenhum dos dois setores da direita na câmara, visto que ambos são golpistas e têm uma política contra o povo. A subida de Bolsonaro ao poder só foi possível porque os dois grupos se juntaram para elegê-lo. Agora, uma parte deles pode até estar procurando criticá-lo por demagogia, mas é evidente que eles defendem uma política tão prejudicial para o povo quanto a dele, senão pior. A política do “mal menor” consiste em uma verdadeira desmoralização para essa esquerda e se trata, realmente, de uma gigantesca capitulação diante do bolsonarismo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas