Devido à sanha capitalista
O especialista e epidemiologista russo Michael Favorov alertou que a pandemia pode se estender até 2022, caso não haja uma campanha mundial de vacinação.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Foto de divulgação do Fundo de Investimento Direto Russo mostra amostras de vacina russa contra a Covid-19
06/08/2020
Fundo de Investimento Direto Russo/Divulgação via REUTERS
Vacina russa Sputnik V. | THE RUSSIAN DIRECT INVESTMENT FU | Crédito: via REUTERS

O especialista e epidemiologista russo Michael Favorov afirmou que a pandemia do COVID-19 pode se prolongar e só terminar no final de 2022, caso o quadro de evolução da doença permaneça no ritmo atual. Esta previsão foi tornada pública esta semana em Novosibirsk.

O especialista afirma que uma campanha mundial de vacinação massiva permitiria encurtar o prazo de término da pandemia em até 1 ano. Favrov analisou a situação da doença na conferência OpenBio, celebrada na cidade de Koltsovo, próxima à cidade siberiana de Novosibirsk (3.000 km de Moscou).

A segunda onda do coronavírus, que assola o continente europeu, demonstra que as previsões do cientista russo estão corretas. Na Espanha, foi decretado novo estado de emergência. Itália, França e Inglaterra ampliaram as medidas restritivas. Na Bélgica, há a possibilidade de falta de leitos. Na Alemanha, foi ser decretado “lockdown” em um distrito da Baviera. Todos os dias são registrados recordes de infecções e mortes. Foi noticiado que os países europeus temem um colapso da rede hospitalar.

No Brasil, Estados Unidos e Índia, a primeira onda sequer terminou. Não há sinais de que a pandemia vai decair significativamente nestes países, que são os mais atingidos em números de casos e óbitos. Os Estados Unidos registram 8.776.923 casos confirmados e 225.692 mortes. Já a Índia registra 7.946.429 casos e 119.502 óbitos e o Brasil 5.411.550 casos e 157.451 óbitos.

A reabertura forçada das atividades, promovida pelos governos capitalistas em função da pressão política exercida pelos banqueiros, é a responsável pela situação catastrófica mundial. Os bancos e grandes capitalistas estão preocupados com seus lucros, que diminuíam por causa da paralisação da economia. Para resolver o seu problema, eles pressionaram e lograram êxito em pôr a população trabalhadora para trabalhar novamente, apesar do avanço constante da doença.

Observa-se uma luta feroz em torno da vacina por parte dos monopólios farmacêuticos dos países imperialistas, que realizam uma grande campanha contra a vacina Sputnik V, desenvolvida pela Rússia, e contra a vacina desenvolvida pelos chineses. Fica claro que não existe qualquer preocupação com a vida da população na ótica dos laboratórios e do imperialismo.

A retomada das atividades econômicas acelerou a transmissão do vírus, uma vez que estimulou aglomerações. Contudo, deve-se destacar que a grande massa da população jamais teve direito a um verdadeiro isolamento social para se proteger da doença, pois a satisfação das necessidades básicas e a falta de auxílio por parte dos governos fazem com que se tenha de ir às ruas para trabalhar.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas