Fascismo na Espanha
O espectro do fascismo ronda a Europa. Na Espanha, após recentes cartas de ex-comandantes espanhóis ao rei Felipe VI, tornou-se evidente o recrudescimento da extrema-direita
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
b11a2b5f5546098612fa7276b1a8a2f7bd3853e7
Exército espanhol em marcha | Reprodução

O espectro do fascismo ronda a Europa. Na Espanha, após recentes cartas de ex-comandantes espanhóis ao rei Felipe VI, tornou-se evidente o recrudescimento da extrema-direita no país ibérico. Segundo a carta, o governo espanhol está levando a cabo o “aniquilamento da nossa democracia” devido à sua relação com “os herdeiros de terroristas”. Compartilhando mensagens abertamente fascistas em grupos de bate-papo, a velha guarda Franquista demonstrou que os ideais do “Generalíssimo” ainda estão em voga.

Nesta quarta-feira, 16, soldados espanhóis foram filmados cantando uma canção sobre a Divisão Azul (unidade de voluntários espanhóis e portugueses cujo objetivo era apoiar o exército nazista e combater os comunistas e a União Soviética) e fazendo a saudação nazista de braços erguidos. Segundo o sítio lamarea.com as imagens estão relacionadas com celebração do Dia da Purísima, do dia 8 de dezembro de 2019, e foram gravadas na sede da Brigada de Paraquedas (BRIPAC) em Paracuellos del Jarama, em Madrid.

Militares franquistas do exército espanhol

Embora os fatos apontem para uma clara disposição da extrema-direita em implementar um regime fascista, Margarita Robles, ministra da Defesa, disse no domingo passado, 13, que as Forças Armadas espanholas são claramente democráticas. Para o governo espanhol, as cartas ao rei não tem grande importância, pois, seriam de militares aposentados sem qualquer influência sobre os uniformizados em serviço. No entanto, sabe-se que entre os soldados a ideologia de extrema-direita tem ganhado cada vez mais espaço.

Cantando e dançando ao som da música Primavera da banda de rock neonazista Stirpe Imperial, soldados uniformizados e outros à paisana dão demonstração inconteste do crescimento do fascismo na Espanha. Esta, portanto, é mais uma prova de que o fascismo é a ideologia do exército espanhol. Enquanto isso, o governo de esquerda burguesa do PSOE-Podemos insiste que as cartas reveladas de generais aposentados pedindo um golpe militar e defendendo o fascismo não representam nenhuma ameaça, da mesma forma que a esquerda brasileira dizia que não iria ter golpe no Brasil. Além disso, o VOX, partido destacadamente fascista já é a terceira força política do país e defende Francisco Franco com unhas e dentes. Não por acaso, o partido teve um ótimo resultado eleitoral justamente nas regiões onde há quartéis do exército – denunciando de maneira cabal, a convergência entre o VOX e os militares.

Em meio à crise econômica que atinge a Espanha, a questão independentista tem levado a população cada vez mais à se deslocar contra o despotismo do governo espanhol. Desde 2008, com a crise que promoveu uma verdadeira devastação econômica na Espanha, a classe operária tem sido a principal prejudicada; todavia, não foi a única a sofrer os danos da crise. Setores capitalistas, como a burguesia catalã, sobretudo a ligada à indústria também foram acossados pelo agravamento da crise econômica. Essa crise, porém, tem aumentado a polarização política no país, resultando, de uma maneira ainda mais nítida, num confronto entre a classe trabalhadora e a burguesia; assim como nos acontecimentos da Grécia e de Portugal. Nesse vácuo, contudo, o Podemos, na Espanha e o Syriza, na Grécia, assumiram a tarefa de arrefecer os ânimos das massas e estabelecer um governo de coalizão com a burguesia, buscando um entendimento com os setores responsáveis pela crise que empurra milhões de espanhóis para o degredo social.

Com a contraproducente fórmula das frentes com os partidos burgueses, esses partidos cumprem o papel de estrangular a mobilização popular, desviando a luta dos trabalhadores para o terreno institucional. Esse embuste, não obstante, revela-se ainda mais inoperante para a esquerda, visto o recrudescimento da extrema-direita e a total submissão desses partidos à política da direita, servindo-lhes, assim, como um apêndice da política burguesa, o que – em última análise, contribui para o fortalecimento da direita e a desmoralização dos partidos de esquerda. Longe de cumprir a tarefa de desenvolver a consciência das massas acerca do perigo do fascismo, os partidos reformistas adiam, ao custo da miséria e da degradação das condições de vida da população, o confronto iminente entre a classe operária e a burguesia, sobretudo a burguesia imperialista – responsável por toda a situação caótica da atualidade, onde até mesmo a vacina para imunização da covid-19 é utilizada como meio de solapar a economia dos países atrasados, desvelando a verdadeiro caráter reacionário e desumano dos monopólios farmacêuticos.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas