Coronavírus
Um estudo publicado pelo Instituto Superior de Saúde (ISS) da Itália mostrou que traços do Covid-19 foram encontrados no esgoto das cidades de Milão e Turim em dezembro de 2019
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ilustracao-do-virus-covid-19-1585854594510_v2_1920x1080
Ilustração do coronavírus (SARS-CoV-2) | Imagem: Fusion Medical Animation/ Unsplash

Um estudo divulgado pelo Instituto Superior de Saúde (ISS) da Itália mostrou que traços do Covid-19 foram encontrados nas redes de esgoto das cidades de Milão e Turim em dezembro de 2019, dois meses antes da confirmação do primeiro caso no país, entre os dias 20 e 21 de fevereiro de 2020 em Codogno, Lombardia.

Isso significa que o vírus já estava circulando havia dois meses antes das primeiras confirmações. As amostras coletadas nos centros urbanos foram utilizadas como pistas para entender a circulação do vírus e compreender o desenvolvimento da pandemia no país.

As conclusões do estudo do ISS convergem para estudos realizados sobre a França e a Espanha. No primeiro país, um paciente com coronavírus foi diagnosticado em dezembro de 2019. Na época, ele foi tratado como pneumonia e novos exames deram positivo para o coronavírus. Na Espanha, especificamente na cidade de Barcelona, foi encontrado o RNA do vírus em amostras coletadas no esgoto 40 dias antes do primeiro caso ser confirmado.

Uma pesquisa de um médico francês sugere que a pandemia chegou à França no mês de novembro, antes de o primeiro caso ter sido diagnosticado na China no começo de dezembro. Em todo caso, há uma polêmica em torno da questão do local de origem do coronavírus, e verifica-se a possibilidade de não ter surgido na China, como costuma se afirmar. É necessário verificar se o vírus surgiu na Europa.

Os Estados Unidos e os países imperialistas do continente europeu se juntaram e acusaram, de imediato, a China como responsável pela pandemia. Sanções foram sugeridas como forma de punir o país asiático pelos impactos da pandemia. A extrema-direita internacional chegou a afirmar que a China teria produzido intencionalmente o vírus e o difundido, como parte de uma estratégica de dominação global.

No Brasil, a extrema-direita bolsonarista, seguindo a linha de Donald Trump, lançou uma campanha de acusações contra os chineses. O ex-ministro da Educação do governo Jair Bolsonaro, Abraham Weintraub, publicou em sua conta no Twitter que o coronavírus é parte da estratégia global de guerra contra o Ocidente e o fortalecimento da China. O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) afirmou que o vírus deveria ser batizado de “vírus chinês” e falou que a culpa da pandemia seria do Partido Comunista Chinês.

A embaixada da China acusou Bolsonaro e o ex-ministro Weintraub de racismo e xenofobia em relação à China e ironizou as acusações dos políticos bolsonaristas. Em 17 de maio, um grupo de bolsonaristas fez um protesto em frente ao Consulado da China no Rio de Janeiro e gritavam “comunistas malditos”.

Os acontecimentos demonstram como os países imperialistas e seus lacaios da extrema-direita se utilizam da pandemia para avançar sobre seus adversários políticos na arena internacional. A culpabilização da China é parte da estratégia política, lançada pelo imperialismo, de guerra contra este país, em especial por parte dos Estados Unidos.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas