O ensino privado deve acabar
O Sieeesp anunciou em carata aberta que é contra o adiamento da volta às aulas para o ensino privado. As empresas de educação pretendem assassinar a comunidade escolar para lucrar.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
A child, wearing a protective face mask, following an outbreak of coronavirus, uses hand sanitizer at
Crianças sobre risco de contaminação | Foto: reprodução

 

Diante da crise econômica, os tubarões capitalistas da educação não consegue esconder sua intenções de classe. O objetivo é claro: explorar a comunidade estudantil para salvar seus lucros. Assim, os empresários do ensino privado pressionam o processo de retomada das aulas presenciais.

João Dória (PSDB) anunciou, nesta quarta-feira (24), que a retomada gradual do ensino presencial está prevista para 8 de setembro no principal estado do País, São Paulo. O motivo por trás do adiamento da volta às aulas, as quais estavam marcadas para voltar em julho, não é a preocupação com a pandemia, se fosse, haveria algum programa para combatê-la ao invés das medidas genocidas de flexibilização da quarentena. Os professores da rede estadual ameaçaram entrar em greve contra a volta gradual nas escolas públicas. Eles alegaram que só voltaram se concordarem que já é seguro, e com a greve organizada exigiram o cancelamento da proposta de Dória. 

Em contraposição, o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado de São Paulo (Sieeesp) defendeu abertamente que as escolas particulares já estão aptas para o retorno. Com aptidão, eles querem dizer um preparo desesperado para receber os alunos, funcionários e professores, que em seu discurso cobririam todos os procedimentos de segurança, higiene e saúde. É impossível, sem uma política massiva de combate a crise sanitária, garantir a saúde dos estudantes, os que serão mais afetados pela medida. 

Na atual etapa do imperialismo as empresas privadas estão em constante crise, com o coronavírus, principalmente as que necessitam da exploração do trabalho físico, não consegue sustentar as medidas mais básicas de contenção da contaminação. Por isso, sobre a ameaça da demissão e da falência, elas pressionam os sindicatos para tomarem a posição uma posição completamente direitista. Essa, que coloca o lucro acima da vida da comunidade escolar. 

Uma das exigências do sindicato é separar a reabertura das escolas privadas e das públicas, uma vez que os professores do ensino público, mais organizados, não aceitam as medidas genocidas. Seu argumento é completamente vazio, acusando-o o poder público de não gerenciar bem os cuidados para a pandemia nas escolas. Finalmente não existe argumento para validar suas posições, fica muito claro, evidenciado até pelo Secretaria de Educação, que são exigências puramente econômicas.

A administração estadual prevê a retomada com 35% de presença física dos estudantes. Com a atual crise, nem em setembro a situação da pandemia estará resolvida. Os estudantes correm cada vez mais risco, tanto pelo vírus, quanto pelo programa da direita. A greve precisa ser levada até às últimas consequências, e organizada em escala nacional, entre estudantes, professores e as demais categorias da classe trabalhadora. Só com a mobilização é possível derrubar o governo Bolsonaro e barrar suas medidas fascistas. É preciso exigir a estatização de todas as escolas e de todas as universidades!

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas