Capitalistas exigem retomada
Capitalistas, apoiados pela esquerda pequeno-burguesa, aprovam dia após dia seus planos para retomar as aulas.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
escolas3
Ataque nas escolas privadas estende-se para todo ensino. | Foto: TV TEM/Reprodução

Do “fique em casa” ao “volte às ruas”, a esquerda pequena-burguesa, em sua política de frente ampla meramente ficou a reboque da burguesia durante todas as suas investidas. Agora, com a pressão pela reabertura de todas as unidades de ensino, a esquerda pequeno-burguesa coopera com a iniciativa direitista.

As pressões vem de todos os lados pelos setores capitalistas, um exemplo disto é a política seguida em torno das mensalidades das escolas particulares. A Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj), passou a discutir mudanças em um projeto que propõe a redução nas mensalidades.

Este projeto e suas mudanças são encabeçados por figuras como o deputado Flávio Serafini (PSOL) e o deputado petista, Waldeck Carneiro, que inicialmente colocavam o desconto nas escolas privadas tendo como base a quantidade de alunos matriculados, contudo, agora, a prioridade são o “equilíbrio fiscal das instituições”.

Waldeck coloca que os estudantes que pagam acima de R$ 350 paguem, gradativamente, com descontos. Além disso, deixa claro que isto sequer pode valer como lei, pois haveria a necessidade de uma negociação estudante vs instituições, assim como a política burguesa da negociação entre patrões e empregados.

Os deputados, dos quais tratam estas medidas de redução de mensalidades é uma verdadeira vitória para a população, colocam em marcha um plano da direita que visa pressionar economicamente as famílias pela volta a “normalidade”, ou seja, ao trabalho e aulas em plena pandemia.

Tal situação ocorre pois, neste momento de crise econômica mundial e a total paralisação dos estudos com a pandemia, muitas famílias passam a ter nas mensalidades um gasto abusivo do qual sequer podem usufruir de um retorno. Outros, com a crise, sequer tem condições de pagá-las.

Dessa forma, a pressão pela continuidade das mensalidades não é apenas uma forma de socorrer os capitalistas, como também, forçar a necessidade da volta ao trabalho das famílias e assim, a retomada das instituições de ensino, onde seus filhos são deixados.

Esta política é percebida sobretudo em estados como o Ceará, onde também um membro da esquerda pequeno-burguesa, o governador Camilo Santana (PT), anunciou que, após um dia do fim do isolamento social rígido em Fortaleza, irá organizar a reabertura das atividades econômicas a partir de 1 de junho. Junto a isto, as escolas particulares devem retomar as atividades presenciais no dia 17 do mesmo mês.

A esquerda pequeno-burguesa, dessa forma, apenas contribui para a política geral dos grandes capitalistas e do bolsonarismo. O “fique em casa” evidenciou-se uma total farsa.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas