Pelo fim das escolas militares
No meio da crise financeira e do coronavírus, ao invés de auxiliar os estudantes com fome, o GDF promove reformas em escolas militares propagandeando o fascismo e a volta às aulas.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
02.02.2020-Reforma-em-escolas-do-Recanto-das-Emas-1-Foto-Acácio-Pinheiro-Agência-Brasília
Reformas nas escolas durante a pandemia | Foto: Acácio Pinheiro/Agência Brasília

Enquanto a burguesia se esforça para se salvar da crise financeira, o povo a segura nas costas. Não é diferente no sistema educacional, onde os golpistas encontram espaço para gastar menos com as políticas educacionais, ela ataca diretamente a comunidade escolar e universitária. Seja com cortes de verbas, com a suspensão do passe livre, a implementação ensino a distância, as demissões em massas de jovens estudantes, os despejos das moradias estudantis, a campanha para volta ás aulas, o objetivo do governo bolsonarista é claro: explorar o máximo possível da população durante a pandemia e conter a mobilização popular.

Nesse âmbito, as escolas cívico-militares são uma das mais antigas estratégias fortalecidas pela direita. Em uma escola militar é promovida uma verdadeira ação ditatorial, que proíbe os estudantes de se organizarem em grêmios independentes, reuniões e manifestações políticas, ou seja, a direção comandada pelo exército impõe o que bem entender. Nenhum militar tem competência para ensinar, sua função é colocar em prática os interesses mais conservadores e direitistas do país, autênticos milicianos do fascismo. São eles os assassinos da população pobre, dos negros e dos trabalhadores. Sem contar que nessas escolas as matérias de desenvolvimento humano são perseguidas e por vezes extintas, para serem substituídas pela moral e cívica. É o modelo da escola com fascismo, de partido único, que pretende direcionar o juventude para a sua contínua opressão.

Justamente por isso, no meio da crise financeira, ao invés de dar auxílios decentes aos estudantes com fome, ou investir em uma política de testes e de abertura de hospitais e postos de saúde, o governo do Distrito Federal investe na reestruturação de tais escolas. A Coordenação Regional de Ensino (CRE) do Recanto das Emas, trabalha desde  começo do ano em diversas reformas no CEM 111 e no Colégio Cívico Militar CEd 308. Pelo Programa de Descentralização Financeira e Orçamentária (PDAF), o qual permite apenas uma completação de recursos financeiros às escolas, elas recebem uma série de reparos nas redes elétricas e lógicas, novos estruturas como rampas, banheiros, a troca de pisos e paredes, entre outras. 

A princípio parece algo positivo, mas a verdadeira e única intenção desse projeto é fazer propaganda tanto da volta às aulas durante a pandemia, quanto do projeto criminoso da militarização das escolas. Os estudantes precisam se organizar para exigir uma verdadeira política para combater a crise, pelo fim de todas as escolas militares. Sem confiar em meras propagandas demagógicas que claramente tentam esconder o genocídio do povo e ao mesmo tempo promover uma política fascista para a educação.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas