Escola policial: direita quer reprimir professores com exames toxicológicos

maxresdefault (1)

O deputado federal golpista Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), líder da bancada evangélica. Apresentou um projeto de lei na Câmara Federal, tornando obrigatório o exame toxicológico para professores e alunos que atuam em todas as universidades e escolas públicas do Brasil.

Os alunos terão que apresentar o exame toxicológico no ato da matricula e os professores ainda não definido, porém terão segundo o projeto de lei terá que ser anual esse exame.

Caso de aprovação do projeto de lei, o exame terá por objetivo detectar o consumo de maconha e derivados (skunk, haxixe) ,Cocaína e derivados (crack, merla) Anfetaminas (diferenciamos o consumo terapêutico do abusivo) Metanfetaminas (speed, ice, meth), Ecstasy e Heroína.

O exame custa em média entre 190 à 220 reais, um absurdo, pois como os profissionais e os alunos terão que desembolsar esse dinheiro, no intuito de gerar prova contra si mesmo.

Há um ataque orquestrado contra os professores da direita burguesa primeiro foi a “escola sem partido”, o congelamento dos gastos em vinte anos.

Agora essa do exame toxicológico, somente a mobilização dos trabalhadores e estudantes vamos barrar esse Estado policialesco que está sendo implantado no Brasil após o golpe de 2016.