Atentado contra o povo Fulni-ô
Escola na aldeia Fulni-ô, referência na educação indígena foi incendiada por um ataque da extrema direita que tem interesse nas terras da reserva.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
escola indígena incendiada
Escola indígena incendiada em Pernanbuco | Foto: Reprodução

Na madrugada do dia 08 de agosto, a Escola Estadual Indígena Marechal Rondon foi incendiada criminosamente. A escola atende a comunidade indígena do povo Fulni-ô, que fica no centro da aldeia, na cidade de Águas Belas (PE). A reserva indígena dos Fulni-ô ocupa uma área de 12 mil hectares e ainda não foi demarcada.

O incêndio provocou várias perdas, principalmente relacionadas à estrutura física, livros e documentações dos estudantes. Os criminosos ainda deixaram mensagens na parede com ofensas. Segundo a coordenadora educacional da unidade, o incêndio atingiu e destruiu quatro compartimentos do bloco administrativo, entre elas a sala de leitura (onde fica a biblioteca).

A escola é referência no ensino para o povo Fulni-ô, sendo um símbolo nas conquistas de direitos dos povos indígenas, com práticas pedagógicas singulares adaptadas a comunidade. A grade curricular é composta pela língua Yaathe, única língua indígena originária viva no Nordeste (no caso, a referência exclui o Maranhão, já que a Funai considerada o local Amazônia Legal).

O pajé Gildiere afirma que o sentimento do povo é de tristeza e revolta. “Foi uma coisa muito ruim. A escola é um grande recurso para o povo Fulni-ô. Quem fez isso poderia usar o seu sentimento em saber que a escola está preparando os nossos índios, nossos jovens. Por qual motivo fazer isso com a escola?”, questiona.

Este é claramente mais um ato criminoso da extrema direita contra o povo Fulni-ô, não só por conta desse episódio, mas pela forte pressão que a comunidade indígena vem sofrendo sistematicamente pelos fazendeiros e empresários da região, que tem interesse na propriedade das terras da reserva indígena.

A agenda fascista do governo, incentiva e financia esse tipo de ação. Diariamente os povos indígenas, quilombolas, trabalhadores e trabalhadoras do campo, pessoas em situação de rua e outros grupos vulneráveis estão sendo agredidos e violados por ataques da extrema direita.

A polícia civil e a Funai foram acionadas para investigar o atentado. Mas o que esperar dessas instituições?

Não podemos achar que este é um acontecimento de menor importância. Incendiar uma escola indígena é um atentado contra o patrimônio cultural brasileiro, ou seja, contra todos os brasileiros.

Povos originários uni-vos aos trabalhadores do campo e da cidade para derrubar esse governo fascista, todos os golpistas e usurpadores do país.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas