Escola estadual de Itapevi, na Grande SP, está sem luz há 45 dias

altAmCAHV3AlNfG2a3r8x7wVcxcOuyKGU7jnNV_0dsU3xgo

Alunos e professores da Escola Estadual Maria Santos Soares, em Itapevi, na Grande São Paulo, dizem estar há 45 dias sem energia elétrica. Eles também reclamam de problemas na infraestrutura, como banheiros com cheiro de esgoto e privadas sem tampa, quadra abandonada, falta de extintores de incêndio e problemas de falta de água que existem há cerca de três anos.

Os alunos estão estudando há 45 dias com iluminação insuficiente e tendo que fazer uma espécie de “rodízio”. O professor informou que do total de 11 salas de aula, apenas três têm energia. Para diminuir a perda de conteúdo, os estudantes da manhã estão entrando uma hora mais tarde e os da noite estão saindo uma hora mais cedo.

Nas escolas falta de tudo, giz, canetão para lousa branca, papel sulfite, papel toalha, merenda, livros, papel higiênico, café, bolacha, livros, cadeira, produtos de limpeza etc. Agora está faltando até luz.

Na maioria das escolas há menos funcionários para todas as funções desde as pedagógica até as da limpeza, os profissionais ficam sobrecarregados com o trabalho. Outro problema é a falta de professores, não há professor substituto para as eventualidades das escolas.

A escola pública está cada dia mais abandonada pelos governos golpistas, falta de tudo nas escolas, xerox e impressão de provas são artigos de luxo, pois na maioria das vezes se tem a impressora, não tem tinta, se tem tinta não tem a folha de sulfite e assim por diante.

O governo e a burocracia da Educação fala muito nos índices das escolas, como se procurasse alcançar metas de melhorias dos resultados desastrosos do processo de ensino-aprendizagem e como o caos que reina não fosse um produto direto e perseguido pelo governo inimigo do ensino público e defensor do ensino pago.

As circunstâncias impostas pela política do governo, nas quais falta até algo básico como energia elétrica. Longe de perseguir qualquer melhoria na Educação – o que temos é uma política de rapina, de terra arrasada para a Educação.