Escândalo na Libertadores – Conmebol usa o VAR para estelionato contra o futebol brasileiro

gremio

Uma sucessão de fatos ocorridos nas etapas decisivas da principal competição de clubes do continente sul-americano acabaram por contribuir para a eliminação de quatro times brasileiros (Santos, Cruzeiro, Grêmio e Palmeiras) na Taça Libertadores. O melhor futebol do mundo e por consequência também do continente está sem representante na grande final do cobiçado torneio, que garante ao campeão o direito de disputar o título mundial contra o campeão do continente europeu.

Em uma das partidas das semifinais realizada na terça-feira entre o Grêmio e River Plate, na decisão de uma das vagas para a final, o time argentino acabou levando a melhor, depois de uma partida onde aconteceu de quase tudo. O Grêmio havia vencido a primeira partida, em Buenos Aires, pelo placar de 1 x 0 o que garantiu ao time gaúcho uma ótima vantagem para a segunda partida, que foi realizada em Porto Alegre, na Arena Grêmio.

Nesta partida de volta o time brasileiro abriu o placar e vinha mantendo a vitória até os 35 minutos do segundo tempo, quando num gol irregular, onde a bola resvalou na mão do jogador do River Plate antes de ir parar nas redes, o time argentino empatou a partida. O VAR nada viu e o árbitro de campo validou o gol. Minutos após o time argentino chegaria ao desempate, num lance em que o VAR “resolver enxergar” um toque de mão involuntário e acidental do zagueiro Bressan, onde nem mesmo os jogadores do River Plate reclamaram. O árbitro uruguaio foi alertado e foi consultar o VAR, voltando com a decisão de assinalar pênalti contra o time da casa. Um verdadeiro escândalo, um verdadeiro estelionato. O pênalti foi convertido e o River Plate ficou à frente do placar, permanecendo assim até o apito final, com a confirmação da vaga de finalista para o time da cidade de Buenos Aires.

Outra irregularidade verificada na partida foi a violação da punição imposta ao técnico do River Plate (embora tenhamos nos manifestado aqui contra a punição), Marcelo Gallardo, que estava impedido de dirigir o time, inclusive de se comunicar com os jogadores e com o auxiliar técnico que lhe substituíra. O treinador argentino ignorou solenemente a punição e fez uso de aparelhos para se comunicar com a comissão técnica, inclusive indo até o vestiário no intervalo, o que também estava interditado devido a punição imposta pela Conmebol.

O fato objetivo e incontestável é que o time brasileiro foi escandalosamente roubado dentro de sua própria casa pela arbitragem da Conmebol, o que coloca sob suspeição a legitimidade não só do resultado da partida e a classificação do River Plate, como também a lisura do título de campeão da Libertadores, que será disputado entre dois times argentinos, o River Plate e o Boca Juniors, que eliminou o Palmeiras, na noite de quarta-feira, depois de uma movimentada partida que registrou o placar de 2  x 2.